X
X

Diário da Região

23/02/2018 - 00h30min / Atualizado 22/02/2018 - 23h40min

CAPTAÇÃO DE ÁGUA NO RIO GRANDE

A prévia milionária de um sonho bilionário

Com quase três anos de atraso, Prefeitura de Rio Preto assina contrato de projeto de captação de água no rio Grande; Edinho afirma que estudo vai mostrar "viabilidade" da obra, estimada em R$ 1 bilhão

Simulação de ponto de captação de água no rio Grande, apresentada em vídeo nesta quinta-feira em evento na Prefeitura de Rio Preto
Simulação de ponto de captação de água no rio Grande, apresentada em vídeo nesta quinta-feira em evento na Prefeitura de Rio Preto

A Prefeitura de Rio Preto, Semae, governo federal e a empresa Estática Engenharia assinaram nesta quinta-feira, 22, a ordem de serviço para dar início ao projeto executivo de captação de água no rio Grande. Apesar do custo milionário do projeto, que tem prazo de dois anos para ser concluído, a construção da mega-obra para buscar água a cerca de 60 quilômetros de Rio Preto é uma incógnita, segundo admitiu o prefeito Edinho Araújo (MDB). "O projeto vai mostrar a viabilidade da obra", afirmou ele. O custo estimado para a empreitada como um todo varia entre R$ 900 milhões e R$ 1 bilhão, segundo consta no Plano Municipal de Saneamento Básico.

De acordo com Edinho, ao término da elaboração do projeto executivo, com detalhes da obra, e exatidão sobre gastos, será necessária ainda uma discussão com a sociedade para seguir com a empreitada, que vai depender de outra licitação e da liberação de recursos do governo federal. "Temos de ver a viabilidade do projeto. Não sabemos o custo disso. Qual vai ser a fonte de financiamento que vamos ter de buscar. Isso é uma ação preliminar. Esta é a situação do momento: a elaboração do projeto. Depois, vamos para outra etapa, a de discutir com a sociedade para ver a importância desse projeto e buscar as fontes de financiamento", disse o prefeito.

Os R$ 14 milhões só para o projeto executivo (a fundo perdido, ou seja, liberado diretamente do governo federal para o município), começará a ser utilizado com três anos de atraso. A licitação para elaboração do projeto foi aberta em 2015, ainda no governo de Valdomiro Lopes (PSB). Apenas nesta quinta a ordem de serviço foi autorizada. "Não havia recursos", disse Edinho.

Segundo o Diário apurou, a estimativa de prazo de execução da obra é de seis a oito anos. As projeções do município preveem que, caso seja mesmo executada, a captação de água no rio Grande deve entrar de fato em operação a partir de 2030. "Este é um projeto para as próximas gerações", afirmou o superintendente do Semae, Nicanor Batista Júnior. Segundo o superintendente o projeto executivo irá detalhar como deve ser feita a obra, que ele defendeu enfaticamente. "Cidade que tiver água estará na frente das outras e Rio Preto não irá fica para trás", disse. Segundo Nicanor, a capacidade de abastecimento de água em Rio Preto chegará ao limite em cerca de 10 anos, quando for distribuída para cerca de 600 mil pessoas. Atualmente, o abastecimento é para 450 mil moradores. Também participaram do evento o secretário nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades, Henrique Pires, representantes da Caixa, que vai liberar a verba do projeto, e dezenas de convidados, que lotaram o gabinete do prefeito.

O projeto inicial prevê a captação em Icém, município onde o rio faz fronteira entre os Estados de São Paulo e Minas Gerais. Serão cerca de 53 quilômetros de adutoras, que passarão às margens da BR-153. A água irá chegar a uma nova estação de tratamento que será construída perto do Distrito Industrial Carlos de Arnaldo e depois distribuída para a cidade. Serão 3 mil litros de água por segundo, de acordo com a autarquia.

O Semae afirma ter feito pré-consulta para obter licença de uso dessas áreas, o que economiza em desapropriações. A autarquia também tem outorga para uso da água do rio Grande. "O projeto irá definir as etapas necessárias, qual o custo, e daí vamos ver como viabilizá-lo", afirmou Nicanor.

Projeto de captar água no rio Grande

Valor - R$ 14,3 milhões

Prazo para execução - dois anos

Distância do rio - 60 quilômetros, de adutoras que irão passar ao lado da rodovia BR-153 até chegar a Rio Preto

Ponto de captação - Município de Icém, em ponto do rio que divide os estados de São Paulo e Minhas gerais

Aumento - Previsão do Semae é de ampliar a capacidade de água em Rio Preto em 3 mil litros por segundo

Por que buscar água fora - Segundo projeções do Semae, o sistema de água nos limites do município irá chegar ao limite em dez anos. Pelo projeto, a água captada fora poderá abastecer uma população de mais de 630 mil moradores

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso