X
X

Diário da Região

28/02/2018 - 00h30min / Atualizado 27/02/2018 - 19h18min

HOMENAGEM

Pintora Tarsila do Amaral ganha primeiro memorial em Capivari

Cidade natal da pintora modernista, Capivari inaugura memorial que reúne em seu acervo releituras de obras famosas e a certidão de nascimento da artista

Fotos: Reprodução O autorretrato de Tarsila do Amaral, que nasceu em Capivari
O autorretrato de Tarsila do Amaral, que nasceu em Capivari

A certidão de nascimento da artista e releituras de seus quadros mais famosos fazem parte do acervo dedicado à pintora Tarsila do Amaral, em memorial que foi inaugurado na quinta-feira passada, 22, em Capivari, sua terra natal.

Entre as mais de 100 peças, estarão expostos documentos e fotos sobre as várias fases da vida de Tarsila e um livro com dedicatória da artista.

A homenageada nasceu em 1886 num casarão da Fazenda São Bernardo, atualmente pertencente ao município de Rafard, e morreu em São Paulo, em 1973.

De acordo com o secretário municipal de Cultura, Alexandre Della Piazza, a cidade de 53,2 mil habitantes resgata uma dívida com a memória da filha famosa. "Esse memorial será a primeira lembrança física de Tarsila na cidade. Ela sempre foi lembrada em mostras e exposições, mas não havia nada permanente que possibilitasse a pesquisa sobre sua vida e obra."

A galeria está instalada no prédio da antiga estação da Estrada de Ferro Sorocabana (EFS), construído há exatos 100 anos, com projeto de Cândido Mota Filho.

Parte do acervo foi produzida por estudantes e artistas da região, que se debruçaram sobre a obra de Tarsila e produziram interessantes releituras, como do quadro Abaporu, fiel ao original, mas em preto e branco. Muitos desses trabalhos foram produzidos para a mostra dos 130 anos da artista, apresentada em 2016.

O casarão em que Tarsila nasceu está preservado, na cidade vizinha. A artista morou até os nove anos na fazenda que pertencia a Capivari, antes da emancipação de Rafard. Ela saiu de casa para estudar em São Paulo e, depois, na Europa.

Tarsila foi uma das figuras centrais do movimento modernista no País, que rompeu com os padrões acadêmicos vigentes à época.

Sua obra mais famosa, o Abaporu, produzida em 1928, foi um presente de aniversário ao escritor Oswald de Andrade, com quem se casou. A obra tornou-se representativa do movimento antropofágico, caracterizado pela valorização da arte nacional e eliminação da influência europeia.

Além do Abaporu, tela brasileira mais valorizada no mercado mundial das artes, destacam-se entre suas obras Antropofagia, A Lua, O Lago, Cartão Postal, Operários e A Negra.

O memorial vai funcionar de segunda a quarta-feira, das 13h às 22h, e quinta e sexta, das 8h às 17h, com entrada gratuita.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso