Um professor de Rio Preto entre os 10 melhores do mundoÍcone de fechar Fechar

NOBEL DA EDUCAÇÃO

Um professor de Rio Preto entre os 10 melhores do mundo

Professor Diego Mahfouz Faria Lima, diretor da escola municipal Darcy Ribeiro, no Santo Antônio, é um dos dez finalistas do Global Teacher Prize - considerado o mais importante prêmio educacional do mundo


    • São José do Rio Preto
    • máx min

O diretor rio-pretense Diego Mahfouz Faria Lima é um dos 10 finalistas do Global Teacher Prize - em tradução livre Prêmio Professor Global, considerado o Nobel da Educação. O anúncio foi feito por Bill Gates nesta terça-feira, 13, e a premiação do campeão ocorrerá em março, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. A mobilização e a dedicação do diretor para resgatar a escola municipal Darcy Ribeiro, no Santo Antônio, de um cenário de tráfico e violência, em 2014, é o que o leva à premiação.

"Fiquei muito contente e ao mesmo tempo surpreso porque são projetos muito bons de 50 finalistas e estar entre os 10 é incrível já que são pessoas renomadas, que fazem a diferença em suas escolas. Estarei representando o Brasil em algo tão grandioso", disse o gestor.

Após o reconhecimento nacional, Diego segue para ser reconhecido mundialmente. "O maior prêmio que eu tenho hoje, em relação à minha vida pessoal e profissional, é ver tantos jovens deixando o mundo das drogas e violência, buscando na escola essa transformação de vida. A escola hoje é uma uma grande referência para a comunidade não só pelas questões educacionais, mas também uma ajuda para os pais lidarem com os filhos."

Diego, que assumiu interinamente em 2014 a direção do Darcy Ribeiro, até então uma das escolas mais problemáticas da cidade, ganhou projeção nacional ao concorrer com outros 5,6 mil educadores de todo o Brasil na disputa pelo prêmio Educador Nota Dez. Ele convenceu os jurados com o projeto "(In)disciplina: regras claras sempre". Segundo ele, a evasão escolar no Darcy Ribeiro despencou de 202 estudantes para dois alunos, em 2014. Outro feito, afirmou o diretor, foi reduzir a violência na escola que registrava 60 ocorrências por semana, por causa de brigas, vandalismo, incêndios, porte de arma e tráfico de drogas até entre alunos.

Transformação

O fato é que quem estuda na Darcy Ribeiro reconhece a transformação que o diretor promoveu. O estudante Luiz Gustavo Adão, de 14 anos, conta que sofria bullying e que foi através da mediação promovida pelo diretor que conseguiu ter um dia a dia tranquilo para o aprendizado. "Ele fez com que eu gostasse de ir para a escola. Quando a gente tem um problema ele nos ajuda. Todos os alunos gostam dele".

Ana Carolina Pinheiro Correa, 14 anos, estudava na escola estadual Professor Felício Miziara e, depois que Diego assumiu a gestão, ela se transferiu para a unidade escolar que é no mesmo bairro em que mora. "Aqui era perigoso demais e eu tinha medo. Depois que o Diego passou a ser diretor tudo mudou e minha mãe decidiu me passar para cá. Foi a melhor coisa, estudo perto de casa e o ensino aqui está tão bom quanto era no Miziara".

Foi a partir de uma gestão participativa com mediação de conflitos, tutoria, mudança no modelo de avaliações, projetos extra-curriculares e atividades aos finais de semana que o diretor transformou, com o apoio da comunidade, o espaço físico e as relações no ambiente escolar.

Mãe de dois alunos que estudam na escola Darcy, Angela Gonçalves Coelho, 38 anos, afirma que a gestão é um incentivo para o bom desempenho escolar dos filhos. "Eles participam mais das aulas. O diferencial é que ele incentiva e motiva os jovens. Me lembro que a escola era uma bagunça em todos os aspectos, hoje é outra coisa".

Pilares

O segredo para a boa gestão na escola que refletiu no bom comportamento dos alunos é apoiado em quatro pilares, como enumera Diego: "trazer a comunidade para dentro da escola para se sentir pertencente à escola, dar voz aos alunos e torná-los protagonistas de todo o processo de aprendizagem, incentivar a cultura da paz, do diálogo e do ouvir dentro da escola e, sem dúvida, esse amor e essa dedicação que eu tenho é um grande diferencial".

Os profissionais que trabalham na escola ressaltam o ambiente favorável para a realização das atividades. "O Diego está sempre pensando no bem-estar de todos, alunos, professores, funcionários e da própria comunidade. Ele não mede esforços para ajudar a todos", disse a professora de português Gabriela Pedroso Cardoso. Já o inspetor Eduardo Santana Bertoco destaca a dedicação do gestor. "Ele é o primeiro a chegar e o último a sair. Ele resolve na hora quando apresentamos um problema, assim criou um ambiente melhor para o trabalho".

Para a supervisora de ensino Maristela Mota dos Santos Amaro, que toma conta de sete unidades escolares, a transformação da escola em pouco tempo a surpreendeu. "Não só a transformação do espaço físico, da organização e da limpeza, mas o que nos chama a atenção é a transformação dos alunos, os professores em condições de lecionar. Os projetos dele trouxeram alegria e dinamismo para a escola. Ele não só se compromete com o trabalho como se envolve com os problemas e tenta resolvê-los, independente de estarem ligados à parte pedagógica".

  • Nome: Diego Mahfouz Faria Lima
  • Nascimento: Paranaíba, Mato Grosso do Sul, em 1º de outubro de 1987
  • Estado Civil: solteiro
  • Graduação: pedagogia pela Unirp, em 2008
  • Pós-graduação: PUC Rio de Janeiro (Tecnologia na Educação) e Faculdade Paulista (Administração Escolar e Teorias e Práticas Pedagógicas)
  • Assumiu a direção da escola Darcy Ribeiro em 2014

No início do ano passado, Diego foi transferido da Darcy Ribeiro para a Daisy Rollemberg Trefíglio, no Parque da Cidadania, para assumir o cargo de Professor de Educação Básica (PEB). Em seguida, pediu licença. Na ocasião, ele não quis comentar o caso. Agora, Diego alega que saiu para um intercâmbio cultural na Alemanha e Irlanda, onde aproveitou para aprimorar o inglês.

O afastamento, que seria de dois anos, durou seis meses. Entre fevereiro e julho realizou o intercâmbio e iniciou a produção de dois livros. "Tive a oportunidade de fazer o intercâmbio, me aprimorar e depois o convite para retornar os projetos."

No ano passado, a Secretaria Municipal de Educação de Rio Preto iniciou investigação para comprovar a veracidade de todos os números anunciados nos dois últimos anos e as benfeitorias no Darcy Ribeiro. A Secretaria não informou se a investigação chegou em alguma conclusão, se limitou a responder em nota que "em 2017, o educador, amparado pela legislação municipal, julgou por bem solicitar seu afastamento temporário das funções, visando seu aperfeiçoamento profissional e pessoal por meio de um intercâmbio cultural. Com o seu desejo de retorno às funções, frente ao trabalho anteriormente desenvolvido, ele foi designado, novamente, como diretor da EM Darcy Ribeiro, dando continuidade aos projetos ali iniciados." (TP)

O Global Teacher Prize é concedido desde 2015 ao docente que tenha feito a maior contribuição à educação, impactando os alunos e sua comunidade. Podem concorrer apenas educadores que tenham trabalhado com alunos entre 5 e 18 anos, o que equivale à educação básica no Brasil.

As duas edições foram conquistadas por mulheres: Nancy Atwell, dos Estados Unidos, em 2015, e Hanan Al Hroub, da Palestina, no ano passado. Cada uma recebeu 1 milhão de dólares.

Diego conta que se ganhar o prêmio criará uma ONG para crianças e adolescentes carentes no contraturno escolar. A ideia é oferecer atividades de esporte, cultura, lazer e cursos profissionalizantes. "Falta muito isso, não só em nossa cidade como em todo País. Penso que enquanto os jovens estão nas ruas as portas para o tráfico de drogas são abertas e grandes. Eles tendo um local onde possam frequentar e estar inserido num curso profissionalizante podemos mostrar um novo caminho de vida para eles".

A comissão que elege o vencedor é formada por autoridades, professores, acadêmicos, jornalistas, empresários, executivos de grandes corporações, cientistas e artistas. Há uma brasileira no grupo, Ana Gabriela Pessoa, fundadora da escola de idiomas a distância Ezlearn. Entre os critérios de avaliação estão melhoria do nível de aprendizado dos alunos, conquistas na comunidade que vão além da sala de aula e oferecimento de modelos de excelência para a profissão docente, práticas educacionais inovadoras e efetivas que são replicáveis para influenciar a qualidade da educação no planeta e como ajudou as crianças a se tornarem cidadãs globais. (TP)