Professor de Rio Preto está entre os finalistas do "Nobel da Educação"Ícone de fechar Fechar

TOP 10 DO MUNDO

Professor de Rio Preto está entre os finalistas do "Nobel da Educação"

Diego Mahfouz concorre ao Global Teacher Prize, em Dubai


    • São José do Rio Preto
    • máx min

O educador Diego Mahfouz Faria Lima, diretor da escola municipal Darcy Ribeiro, no bairro Santo Antônio, em Rio Preto, está entre os 10 finalistas do Global Teacher Prize, premiação internacional considerada o Nobel da Educação. O vencedor receberá um prêmio de 1 milhão de dólares.

Os nomes foram anunciados na manhã desta quarta-feira,  no site da Varkey Foundation, responsável pelo prêmio. Os finalistas já estão com vaga garantida para a cerimônia de premiação, que será em março de 2018, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Diego já estava em uma pré-seleção de 50 educadores que foi anunciada em dezembro.

Todos os professores do "top 10" receberão em suas respectivas escolas equipes da Varkey e da BBC, de Londres, para gravação de uma espécie de documentário, que servirá para mostrar os projetos desenvolvidos pelos educadores.

Uma das exigências para participar da premiação, explica Diego, é se comprometer a utilizar parte do prêmio milionário para desenvolver projetos sociais. "Se ganhar, quero investir na própria escola Darcy Ribeiro e até criar uma ONG voltada à educação", afirma o educador.

Segundo Diego, foram várias etapas até que seu nome aparecesse no top 10. O diretor da escola Darcy Ribeiro teve de responder questionários, enviar relatórios dos projetos desenvolvidos, fotos, passar por entrevistas via videoconferência e auditorias.

"Quando Diego chegou para liderar sua escola, ela era conhecida por ser a mais violenta e dominada pelas drogas naquela área, com os maiores números de evasão escolar", diz o texto de apresentação de Diego na página do prêmio na internet. "Agora, a escola possui fortes laços com toda a comunidade. Os estudantes sentem que têm voz e são ouvidos e a maioria dos pais participam das reuniões escolares. Projetos para mediação de conflitos e redução de abstenções funcionaram. A maior parte da escola agora tem um lugar dentro da comunidade e todos sabem que são bem-vindos", finaliza o texto.

Nota 10

Não é a primeira vez que Diego recebe reconhecimento internacional. Em 2016, o educador foi indicado a esse mesmo prêmio. Além disso, em 2015 o professor recebeu o prêmio "Educador Nota 10", oferecido pela Fundação Victor Civita. No mesmo ano, ele foi eleito o "Educador do Ano" pela Academia Brasileira de Educação, a maior premiação nacional da categoria.

No prêmio "Educador Nota 10", Diego foi reconhecido por um projeto batizado de "(In)disciplina: regras claras sempre", desenvolvido em 2014. O objetivo era reduzir a violência na escola. Ainda em 2014, o diretor conseguiu reduzir para dois o número da evasão escolar, que no ano anterior chegou a 202 alunos só naquela unidade de ensino.

Outras ações que contaram pontos para que ele fosse escolhido pela Fundação Victor Civita foram a criação de uma câmara de mediação de conflitos entre estudantes, professores, pais e funcionários e a recuperação de salas depredadas.

A escola dirigida por Diego também é reconhecida por outros projetos, como a como a Camerata Jovem Beethoven, Grupo de Astronomia, Prata da Casa, Jardim Sustentável e Literatura de Cordel.

Afastamento

Mesmo com o reconhecimento em premiações nacionais, Diego foi afastado do cargo de diretor da escola Darcy Ribeiro em março de 2017. Na época, a Secretaria de Educação, que era então comandada pela ex-secretária Beth Somera, afirmou que o professor não passou em concurso que prestou para diretor, motivo pelo qual foi reconduzido ao cargo original, de professor da educação básica (PEB II) na Escola Daisy Rollemberg Trefiglio. A reprovação no concurso, que se deu no teste psicotécnico, é questionada por Diego na Justiça.

Em julho de 2017, Diego voltou a ocupar a cadeira de diretor da escola no bairro Santo Antônio. Na ocasião, a Secretaria de Educação, chefiada por Israel Cestari, que assumiu a pasta antes da contratação da atual secretária Sueli Costa, entendeu que o educador deveria voltar para os projetos que desenvolvia na Darcy Ribeiro.