X
X

Diário da Região

20/01/2018 - 00h21min / Atualizado 20/01/2018 - 00h21min

APOLOGIA À TORTURA

MP vai investigar o bloco 'Porão do Dops'

O Ministério Público (MP) de São Paulo abriu investigação contra o bloco carnavalesco "Porão do Dops" - alusão ao Departamento de Ordem Política e Social, órgão da ditadura responsável pela repressão política, acusado pela Comissão Nacional da Verdade pela prática de tortura durante o regime -, organizado pelo Movimento Direita São Paulo. O procedimento preparatório de inquérito alega entre outros crimes, a apologia à tortura.

Marcado para sábado de carnaval, o evento do bloco no Facebook diz que "haverá cerveja, opressão, carne, opressão, marchinhas opressores". A foto da divulgação é do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandante do DOI-CODI e conhecido torturador. O MP pede a abertura de um inquérito policial e que o grupo pare a divulgação do evento.

O documento afirma que o problema do bloco não é a sua existência em si, visto que a Constituição garante o direito à liberdade de expressão. "O excesso que deve ser coibido e que viola direitos fundamentais se relaciona à divulgação e à apologia da tortura, que se expressa, dentre outras maneiras, na nomenclatura do bloco, que exalta o espaço físico onde a Comissão Nacional da Verdade apontou que aconteciam sessões de tortura contra opositores ao Governo Militar", diz a portaria, assinada pelos promotores Beatriz Budin e Eduardo Valério.

Segundo o portal do Ministério Público, a Promotoria de Justiça de Direitos Humanos instaurou procedimento ao avaliar que a divulgação do evento viola os princípios da denominada Justiça de Transição (conjunto de medidas jurídicas, políticas, culturais e administrativas que visam à consolidação do regime democrático a partir das experiências históricas vividas no regime de exceção política), afronta os direitos à verdade e memória, enaltece a prática reiterada de tortura durante o período militar no Brasil, além de promover a apologia do crime de tortura.

Por meio de nota, o Movimento Direita São Paulo chamou a Comissão da Verdade de "falsa", disse que o Museu da Resistência, entre aspas no texto, não faz menção à Marcha das Famílias, e criticou ainda o MP, cuja atuação estaria "cerceando a liberdade" deles. O texto manda ainda os promotores irem para a Venezuela. "Não será a rixa e o proselitismo ideológico praticado pelos senhores, que deveriam conhecer a carta magna melhor do que ninguém, que vai nos dobrar", afirma o movimento.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso