X
X

Diário da Região

11/01/2018 - 09h55min / Atualizado 11/01/2018 - 09h55min

CINEMA

Há um mar de livros sobre Winston Churchill

Estadista retratado no filme O Destino de Uma Nação tem sido estudado, em vagas sucessivas, pelo historiador britânico John Lukacs, que a ele dedicou inúmeras obras

Divulgação Ator Gary Oldman vive Winston Churchill no cinema
Ator Gary Oldman vive Winston Churchill no cinema

O leitor interessado em Winston Churchill tem uma oceânica bibliografia à sua disposição. A começar pelas palavras do próprio personagem em sua monumental Memórias da Segunda Guerra Mundial. Seis volumes, no original, que valeram o Prêmio Nobel de Literatura ao estadista. No Brasil, saiu na íntegra nos anos 1950, em 10 volumes, pela Editora Nacional. Hoje, há disponível uma edição reduzida, em dois volumes, da Nova Fronteira.

O estilo de Churchill é marcante, leve e incisivo ao mesmo tempo. Ficamos nos perguntando como um político podia escrever tão bem, mas é que nos baseamos nos parâmetros de hoje. Houve tempo em que homens públicos eram também intelectuais, por incrível que isso possa parecer.

Das biografias, a mais reputada é a de Martin Gilbert, Churchill - Uma Vida, também em dois volumes (Casa da Palavra). Churchill, de Roy Jenkins (Nova Fronteira), também é respeitadíssima. São extensas, bem pesquisadas, bem escritas. Vão da infância à participação do personagem na Segunda Guerra Mundial e, em especial, na Segunda, quando teve seu grande momento.

Churchill tem sido estudado, em vagas sucessivas, pelo historiador britânico John Lukacs, que a ele dedicou inúmeras obras. Vários de seus livros já foram lançados no Brasil, como O Duelo Churchill x Hitler e Churchill - Visionário, Estadista, Historiador. Mas é em Cinco Dias em Londres que Lukacs se concentra sobre esse curto período de tempo, decisivo não apenas para o povo britânico, mas para a Europa e toda a humanidade.

O próprio historiador conta que, ao longo das suas pesquisas, foi dando importância crescente a alguns dias de maio de 1940, até considerá-los como fundamentais para o desfecho da 2ª Guerra Mundial. Neles, Churchill teve de enfrentar uma acirrada batalha de bastidores contra os que preferiam um acordo com Hitler ao enfrentamento. Churchill era, em princípio, contra qualquer tipo de negociação.

No entanto, mesmo Churchill chegou a pensar em capitular e aceitar um arranjo com a Alemanha. Entregaria a Europa para salvar a sua ilha? "O mundo não imagina o quanto Hitler esteve perto de ganhar a guerra", escreve Lukacs.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso