Cultura do benefícioÍcone de fechar Fechar

Cultura do benefício


    • São José do Rio Preto
    • máx min

Indiaporã vive da produção de cana-de-açúcar, laranja e limão. Muitas famílias trabalham fazendo bicos na produção agrícola. Para tentar minimizar a dependência e oferecer oportunidades para que as pessoas consigam formas de se sustentar, a Prefeitura oferece cursos de capacitação em culinária e pintura em tecidos. São famílias atendidas pelo programa estadual Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos.

Além de oferecer cursos, uma psicóloga acompanha as famílias beneficiadas pelo programa. O grande obstáculo, de acordo com Rita de Cássia Melegari, coordenadora do Bolsa Família e gestora do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) da cidade, é a cultura enraizada na população de que ao conseguir um emprego, perde-se o benefício. "O objetivo é fazê-las entender que o Bolsa Família não é garantia, é um paliativo para o sustento enquanto não há outra alternativa. É um trabalho de formiguinha porque o programa aqui passa de pai para filho. Temos jovens que receberam quando crianças, tiveram filhos e estão recebendo o benefício," afirma.

A Prefeitura de Rio Preto informou que a Secretaria de Assistência Social acompanha as famílias beneficiadas e "oferta serviços nos Cras por meio do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família e Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos e ainda faz encaminhamentos para a rede". No entanto, não especificou quais os projetos para que as pessoas inseridas no programa consigam meios para obter renda própria e deixar a dependência. (TP)