Diário da Região

09/12/2017 - 22h30min

Painel de Ideias

Rio Preto chique

Por imposição estatutária, o Baile de Aniversário do Rio Preto Automóvel Clube exigia black-tie e habillé, rigor máximo - os homens empertigados em seus smokings e as mulheres desfilando sedas, rendas, tafetás e brocados

Divulgação José Luís Rey | jlrey@paginaimpar.com.br
José Luís Rey | jlrey@paginaimpar.com.br

A modista Lea Tedeschi Rodrigues, que faleceu em 2006, era uma das últimas remanescentes do ciclo da elegância em Rio Preto - o longo período compreendido entre o assentar da poeira dos tempos pioneiros até o momento em que a cidade resolveu tornar-se mais prêt-à-porter, mais fast food, mais sem graça, vá lá. Pioneira, dona Lea elevou a sala de costura à condição de atelier e, durante anos a fio, vestiu a mulher rio-pretense para o debut, para os concursos de misses, para o casamento, para o batismo dos filhos... E, depois, as filhas delas, e as filhas das filhas delas, numa época em que produzir moda nesta provinciana cidade do interior de São Paulo requeria muito mais do que copiar modelos de "Manequim", "Burda" ou "Figurino Moderno". Exigia uma insondável capacidade de adequar tendências libertárias parisienses aos limites estreitos do nosso vanguardismo de aldeia.

Convenhamos, Rio Preto era mais bonita, muito mais. Se as mulheres tinham dona Lea Tedeschi, os homens podiam recorrer a Orlando Rosseli, Abrão Farath e alguns poucos outros quando se tratava de confiar a alguém a transformação do corte de linho tropical inglês com risca-de-giz em um impecável costume feito sob medida. Pelas ruas do centro da cidade, os passeios do comendador Vicente Filizola - ternos cinza impecáveis, quase nunca dispensando a formalidade do colete - eram uma tomada de posição contrária à menor das concessões em matéria de elegância.

Ainda não havia condomínios fechados, as casas mostravam sua fachada para quem passasse pela calçada e os cronistas sociais se permitiam apelidar algumas delas e seus moradores com um quê de altivez, que hoje soa romântica. A residência do dr. Waldemiro Naffah, na Boa Vista, era a "mansão das acácias douradas". O dr. Naffah era o "príncipe dos advogados".

O jornalista Amaury Junior escolhia anualmente, através de sua coluna social, as dez mulheres mais elegantes da sociedade rio-pretense. A divulgação da lista das "Dez Mais" parecia despertar nas "candidatas" expectativa comparável à de um jogador de futebol às vésperas da convocação da seleção brasileira. E, até onde se sabe, provocava lágrimas de frustração, quando não festas de comemoração.

Por imposição estatutária, o baile de aniversário do Rio Preto Automóvel Clube exigia black-tie e habillé, rigor máximo - os homens empertigados em seus smokings e as mulheres desfilando sedas, rendas, tafetás e brocados. O Automóvel Clube era o "clube da elite" - seu conjunto de associados representava, de fato, o máximo que a cidade podia dispor de poder econômico e, em obediência a regras não escritas, esse grupo zelava pela perenização dessa seletividade, fechando tacitamente suas portas para quem tivesse pele negra, finanças em vermelho ou sangue de outra cor que não fosse azul.

Ali era onde, aos goles de cognac da maison Hennessy em enormes taças de cristal, desenhavam-se os parâmetros do comportamento que se esperava da alta sociedade. As pessoas, ao cruzar o pórtico da nova sede, já na avenida Alberto Andaló, eram recebidas por estatuetas de escravos, das quais seria interessante conhecer o paradeiro depois que foram banidas, nos anos 70, por influência do senso do "politicamente correto". Deveriam fazer parte do acervo de um dos nossos museus, tanta referência fizeram à terna cordialidade do nosso racismo light.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Aguarde, carregando...

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mas.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Regiao

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos trás primeiros meses após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conte?do gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 mat?rias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Regiao
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos trás primeiros meses, após o período R$ 16,90

Já é assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.