Diário da Região

29/12/2017 - 23h00min

Artigo

O País do Futuro

A população exige soluções para hoje, que, afinal, é o tempo em que estamos vivendo

Houve um tempo em que milhões de brasileiros viviam embalados por um sonho dourado, acreditando que o Brasil seria o "país do futuro". Afinal, tínhamos tudo para crescer e prosperar: um vasto território com muitas riquezas minerais, grandes rios, uma imensa costa oceânica, um clima que varia do tropical ao temperado, etc. Por outro lado, fomos agraciados pela ausência de fortes terremotos, maremotos, tempestades de neve, furacões, tsunamis, etc. O que nos faltava, então? Nada!

Um escritor austríaco, Stefan Zweig, fugindo do nazismo e refugiado por aqui, acabaria escrevendo em 1941 um livro, cujo título imortalizaria esse ideal grandioso: "Brasil, o País do Futuro". Infelizmente, pouco tempo depois, o escritor daria mostras de que nem mesmo ele próprio acreditava tanto assim naquela possibilidade, pois, juntamente com sua esposa, cometeria o suicídio, na bela cidade de Petrópolis, onde até então residiam.

Enquanto isso, por aqui, à medida que o tempo ia passando, nada de novo ou muito interessante acontecia em matéria de política, a não ser os belos discursos e as falsas promessas de campanhas eleitorais.

Desencantado e sem paciência, o povo anseia por mudanças agora, pois ninguém mais tolera essa história de "país do futuro". Gerações e gerações de brasileiros cresceram, viveram e morreram sob a esperança de que o Brasil um dia seria o país do futuro. Atualmente, o povo exige soluções para hoje, que, afinal, é o tempo em que estamos vivendo.

O ano de 2018 se aproxima e com ele virão as eleições gerais, quando as velhas raposas políticas, disfarçadas de "elementos novos", reaparecerão com discursos renovados, para levantar o ânimo do povo e capturar os seus votos. Passadas as eleições, tudo permanecerá como antes.

E qual seria realmente o futuro pelo qual o povo tanto anseia? No fundo, nem é tão grandioso e exigente assim. Bastaria que alguns temas fossem encaminhados e resolvidos.

Temas como a sempre crescente carga tributária, cada vez mais sufocante e injusta com os mais pobres; o nível da educação, cada vez mais baixo; as enchentes nas grandes cidades, cada vez mais perigosas; a segurança pública, cada vez mais ineficiente; o transporte público, cada vez mais ineficaz; a saúde pública, cada vez mais precária; a corrupção, cada vez mais abusiva; e, por que não, os salários, cada vez mais baixos.

Esta seria a agenda mínima que, acompanhada da moralização da atividade política, colocaria o Brasil definitivamente no futuro. Mas, como sabemos que quase nada disso acontecerá, termos certeza também de que esse futuro estará cada vez mais distante. E assim continuaremos a conviver com a injustiça social, a imoralidade política, a corrupção desenfreada e um baixo crescimento.

João Francisco Neto, Advogado, doutor em Direito Econômico e Financeiro (USP); Monte Aprazível-SP

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso