Diário da Região

03/12/2017 - 15h41min

CONGRESSO

PSOL elege Juliano Medeiros como presidente nacional

O partido aprovou no congresso uma resolução na qual defende a união de movimentos sociais na oposição ao governo de Michel Temer

Reprodução Juliano Medeiros é ex-dirigente da União Nacional dos Estudantes (UNE)
Juliano Medeiros é ex-dirigente da União Nacional dos Estudantes (UNE)

O PSOL elegeu o gaúcho Juliano Medeiros, ex-dirigente da União Nacional dos Estudantes (UNE), como seu novo presidente nacional. A chapa comandada por ele, chamada "Sem Medo de Lutar", foi eleita com 207 votos durante o 6º Congresso Nacional do PSOL, que acontece neste final de semana em Luziânia, em Goiás.

Nesta sábado, 2, o partido aprovou no congresso uma resolução na qual defende a união de movimentos sociais na oposição ao governo de Michel Temer, contra a reforma da Previdência e pela revogação da reforma trabalhista e do teto dos gastos públicos. "A tarefa principal do próximo período é ampliar a luta contra Temer", afirma documento publicado pelo partido.

Em documento, o partido diz que os movimentos sociais e os partidos de esquerda não tem conseguido fazer frente a medidas do governo Temer, as quais foram classificadas como uma "ofensiva contra os direitos e a democracia".

O PSOL considera no documento que o Brasil vive um novo período de reorganização da esquerda, o qual o partido acredita que foi provocado pelo "esgotamento do ciclo do lulismo". A avaliação é que denúncias da operação Lava Jato, da Polícia Federal, tiraram a legitimidade do grupo do ex-presidente Lula ao mesmo tempo em que cresceu o descontentamento com a política de forma geral.

"O golpe abriu uma nova etapa na luta de classes no País, com uma reorganização da direita e da esquerda", traz o documento do PSOL. "O descontentamento com a política tem produzido sua negação e abre espaço para hipóteses como Jair Bolsonaro ou Luciano Huck", pontua o partido. "De outro lado, já está em curso um processo de reorganização da esquerda em torno da luta contra o golpe, contra a retirada dos direitos sociais e dos trabalhadores e contra os ataques do governo".

Para o PSOL, a emenda constitucional do teto dos gastos "torna sem efeito a vinculação de recursos para educação, saúde e assistência" e "representa um forte redirecionamento do fundo público para o financiamento do capital". Sobre a reforma trabalhista, o partido afirma que ela "busca diminuir os custos da mão-de-obra". Já a reforma da Previdência, diz o PSOL, mira "viabilizar superávits primários para sustentar as elevadas taxas de juros".

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso