Diário da Região

04/12/2017 - 18h04min

FERNANDA D'UMBRA

Rio-pretense dirige peça na capital paulista

Trata-se da primeira montagem brasileira do texto de Bárbara Cólio

Edson Kumasaka/Divulgação Elenco de Pequenas Certezas, dirigida por Fernanda D'Umbra
Elenco de Pequenas Certezas, dirigida por Fernanda D'Umbra

A rio-pretense Fernanda D'Umbra é um dos nomes que marcam a reinauguração de um espaço que têm uma relação muito forte com a recente história do teatro paulistano, a Sala Ademar Guerra, no porão do Centro Cultural São Paulo (CCSP), que ficou fechada por três anos para adequações às normas de segurança e instalação de uma grelha cênica.

Ela assina a direção de Pequenas Certezas, espetáculo responsável pela temporada de reabertura do Porão, como é popularmente conhecida a sala do CCSP. Com sessões de quinta a domingo, a temporada segue até o dia 28 de janeiro, com pausa somente paras as festas de fim de ano.

"Fiquei alucinada com o convite do Kil Abreu (curador de teatro do CCSP) para dirigir o espetáculo da reinauguração do Porão, que é um espaço com o qual tenho uma relação 'sanguínea'. Se fizerem uma varredura por aquele lugar, encontrarão muitos pedaços meus", vibra a atriz e diretora, que, no anos 2000, ocupou o espaço com o Cemitério de Automóveis, grupo de Mário Bortolotto do qual fazia parte. Uma ocupação que rendeu mais de 30 montagens.

A montagem de Pequenas Certezas, escrita pela atriz e dramaturga mexicana Bárbara Cólio, é a primeira em solo brasileiro. Fernanda conta que conheceu o texto há quatro anos, por meio das atrizes Rita Batata e Mariana Leme, que dividem o elenco com Chris Couto, Ivo Müller, Maria Fanchin.

"O texto tem três qualidades muito fortes: é uma história excelente, com personagens incríveis e diálogos avassaladores. É difícil encontrar todas essas qualidades juntas em um texto", elogia.

O desaparecimento de um homem é o fantasma que assola a todas as personagens de Pequenas Certezas. E essa ausência é bem acomodada nos mais de 1 mil metros quadrados da Sala Ademar Guerra. "A montagem foi concebida para aquela arquitetura, com suas paredes e colunas enormes. O espaço casou bem com a dramaturgia, pois fala da devassidão de personagens perdidos, abandonados", comenta.

Mesclando humor e suspense, a peça conta a história de uma mulher que decide viajar para a cidade natal do companheiro depois que ele desaparece. Ao chegar lá, acompanhada da mãe, recebe a notícia de uma fraude e percebe que ninguém o conhecia muito bem.

Pequenas Certezas já foi montada em diferentes países, e a autora pretende vir ao Brasil para conferir a encenação dirigida por Fernanda.

Estreia na Globo e parceria em Rio Preto

Edson Kumasaka/Divulgação Rio-pretense Fernanda D'Umbra estreia seu primeiro trabalho na Globo em 2018
Rio-pretense Fernanda D'Umbra estreia seu primeiro trabalho na Globo em 2018

O ano de 2018 marcará a estreia de Fernanda D'Umbra na Rede Globo. A rio-pretense integra o elenco de Assédio, série roteirizada por Maria Camargo, premiada por Dois Irmãos, e dirigida por Amora Mautner. 

A trama é protagonizada pelo ator Antonio Caloni, que interpreta um médico que assedia e abusa de suas pacientes.

"É um momento muito especial para mim, pois, além de ser o meu primeiro trabalho com a Globo, estou tendo a oportunidade de trabalhar com uma ótima diretora. Amora Mautner tem um envolvimento único no set, ela é contagiante. Estou muito feliz", conta Fernanda, que interpreta uma das vítimas da história. A série ainda está na fase de gravação das cenas.

Cidade natal

Em 2018, também será feita a estreia de La Bruja, montagem do Asa de Borboleta Performance Art, de Rio Preto, que conta com a parceria de Fernanda na direção. Trata-se de um musical protagonizado pela atriz e performer Vanessa Cornélio, que recorre a obras do cancioneiro latino-americano para investigar aspectos existenciais da vida da pintora mexicana Frida Kahlo.

A participação de Fernanda na montagem foi viabilizada por meio do projeto Laboratório Cênico, do Sesc Rio Preto. "A Vanessa é uma atriz que admiro muito na atual cena rio-pretense, que faz trabalhos muito vigorosos e engajados", comenta a artista.

Fernanda também pretende trazer a Rio Preto no próximo ano Isso Não é um Sacrifício, solo em que ela interpreta texto escrito por Fernando Bonassi: o discurso de uma mulher antes de ser apedrejada.

Segundo ela, Isso Não é um Sacrifício foi uma das boas coisas que marcaram seu ano de 2017. "O texto de Bonassi não tem viés melancólico. Pelo contrário, ele não entrega o jogo. É bem instigante."

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso