Diário da Região

29/12/2017 - 09h17min

BALANÇO

Um ano produtivo na seara dos quadrinhos

Após uma residência artística na Casa do Sol, um grupo de quadrinistas liderado por Laerte e Angeli criou a revista Baiacu

Divulgação Laerte e Angeli comandaram o projeto que deu origem à revista Baiacu
Laerte e Angeli comandaram o projeto que deu origem à revista Baiacu

Angola Janga (Veneta), de Marcelo DSalete, foi um dos melhores quadrinhos de 2017. A graphic novel que narra, como indica o subtítulo, Uma História de Palmares, reúne elementos ficcionais e intensa pesquisa documental para reconstituir o quilombo liderado por Zumbi e, no processo, investigar a formação do Brasil.

Outro trabalho publicado pela Veneta que colocou o caldo cultural do País sob a lupa foi Holandeses, de André Toral, contando a história de Cástor e Esaú, irmãos do século 17 que se aventuram pelo Nordeste colonizado pelos Países Baixos.

Após uma residência artística na Casa do Sol, antiga morada da poeta Hilda Hilst, um grupo de quadrinistas liderado por Laerte e Angeli criou a revista Baiacu, publicada pela Todavia, editora novata que vem fazendo um excelente trabalho também na literatura.

Outra bela novidade editorial que este ano nos trouxe foi a Pipoca & Nanquim, que surgiu de um blog e lançou grandes títulos como Moby Dick, adaptação do clássico de Melville pelo francês Chabouté, e Espadas e Bruxas, do espanhol Esteban Maroto.

Em 2017, Rafael Coutinho retornou em grande estilo com Mensur (Quadrinhos na Cia.), seu trabalho mais caudaloso desde Cachalote. Mário de Andrade também foi destaque, pois a Ática adaptou Macunaíma pelas mãos de Rodrigo Rosa e Amar, Verbo Intransitivo, com roteiro de Ivan Jaf e arte de Guazzelli.

Crowdfunding

Como nos últimos anos, a tendência de lançamentos independentes financiados coletivamente seguiu firme. Dois bons exemplos são Teocrasília, de Denis Mello, distopia em que uma bancada religiosa autoritária toma o poder; e Eudaimonia, de Luciano Salles, narrativa contida sobre um caçador solitário que falha em abater sua presa e ganha uma nova chance.

Também independente, Castanha do Pará, de Gidalti Oliveira Moura Júnior, venceu o Jabuti na categoria estreante de quadrinhos do prêmio que existe desde 1958.

Biografia

A não ficção esteve em alta, como se pode notar por duas publicações notáveis da editora Nemo: Não Era Você Que Eu Esperava, de Fabien Toulmé, que esmiúça a relação do autor com sua filha portadora de síndrome de Down; e A Diferença Invisível, em que a protagonista Marguerite tem síndrome de Asperger, como a autora, Julie Dachez.

A vida da diva do jazz Billie Holiday foi contada por José Muñoz e Carlos Sampayo (ed. Mino) e o Diário de Anne Frank foi adaptado para os quadrinhos por Ari Folman e David Polonsky (Record). Francês com ascendência síria, Riad Sattouf, ex-colaborador do Charlie Hebdo, lançou no País o terceiro volume de sua série autobiográfica O Árabe do Futuro (Intrínseca). A brasileira Cynthia B., formada em medicina, publicou uma autoficção com suas memórias dos tempos de graduação em Estudante de Medicina (Veneta).

O mestre italiano do quadrinho erótico Milo Manara ganhou uma biografia por um brasileiro, mas desta vez em livro: A Subversão pelo Prazer (Noir), do jornalista Gonçalo Júnior. Outro livro interessante que chegou ao País é As Linguagens dos Quadrinhos, do semiólogo e estudioso italiano Daniele Barbieri.

No ano do centenário de Will Eisner, quadrinistas brasileiros prestaram um tributo organizado pelo gaúcho Vilmar Rossi Jr. ao criador de Spirit. Jack Kirby também faria cem anos em 2017, ano em que perdemos Len Wein, cocriador de Wolverine e Monstro do Pântano, morto aos 69 anos; e o estudioso brasileiro de HQs Álvaro de Moya, aos 87.

Estrangeiros

Alguns títulos relevantes foram traduzidos pela primeira vez no Brasil em 2017. Aqui (Quadrinhos na Cia.), obra experimental de Richard McGuire, mostra, como uma câmera fixa, o mesmo canto da mesma sala de uma casa ao longo de décadas (e revela também uma escala geológica e cósmica).

A JBC publicou o primeiro dos seis volumes de Akira, de Katsuhiro Otomo, um dos responsáveis pela difusão dos mangás no Ocidente, e Samurai 7, de Mizutaka Suhou, que atualiza a história do filme Os Sete Samurais, de Akira Kurosawa, como uma space opera futurista. A editora Mino trouxe Condado de Essex, de Jeff Lemire, que transporta o leitor para a infância do quadrinista canadense. O britânico Neil Gaiman, por sua vez, teve alguns lançamentos interessantes em terras tupiniquins: O Livro do Cemitério foi adaptado por P. Craig Russell (Rocco) e Como Falar com Garotas em Festas, pelos brasileiros Fábio Moon e Gabriel Bá (Quadrinhos na Cia.). Inédito no País, Um Pequeno Assassinato, trabalho de Alan Moore em parceria com o argentino Oscar Zárate, foi publicado pela Pipoca & Nanquim.

Nas telas

O diálogo entre as bandas desenhadas e outras mídias se estreitou ainda mais. Além dos já esperados blockbusters de super-heróis, adaptações interessantes, nem sempre boas, invadiram os cinemas e vieram acompanhadas pelos respectivos lançamentos em HQ, como Ghost in the Shell (JBC) e Valerian (Sesi-SP). A Netflix também produziu uma polêmica versão de Death Note com atores reais e promete um anime inédito de Cavaleiros do Zodíaco para 2018.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso