Diário da Região

05/12/2017 - 08h23min

Entrevista

Defensor do bem viver

O arquiteto e urbanista alemão Matthias Hollwich defende a ideia de morar bem, com qualidade de vida, de forma saudável e feliz

Jason Lindberg Hollwich/Divulgação Matthias Hollwich é autor do livro
Matthias Hollwich é autor do livro "New Aging - Live smarter now to live better forever" (Novo envelhecimento - Viva de forma mais inteligente para viver melhor para sempre, em tradução livre)

Matthias Hollwich é um arquiteto e urbanista alemão e entusiasta do movimento urbanístico sobre morar bem, com qualidade de vida e de forma saudável e feliz. Nascido em Munique, morou em várias cidades, e antes de montar seu próprio escritório trabalhou com Rem Koolhaas no OMA em Rotterdam, com Peter Eisenman e Diller+Scofidio, em Nova Iorque onde montou com o arquiteto americano Mark Kushner, o premiado escritório nova-iorquino Hollwich Kushner (HWKN). É também sócio e cofundador da plataforma Architizer.

Hollwich, aos 46 anos, também é autor do livro “New Aging – Live smarter now to live better forever” (Novo envelhecimento - Viva de forma mais inteligente agora para viver melhor para sempre, em tradução livre). Ele defende que se a ideia é viver bem na terceira idade, ao invés de fazer planos para o futuro, é preciso viver o mais cedo possível do jeito que se deseja passar o resto dos dias, independentemente da sua idade atual. Especialista em criar projetos de moradias que privilegiam o conceito de passar os anos sem dificuldades, hoje ele dá palestras em todo o mundo e dicas de como conseguir esse envelhecimento saudável e feliz. Sobre esse assunto, ele falou com exclusividade com a revista Vida&Arte.

V&A - Seu livro ‘New Aging’ aborda um assunto que a maioria das pessoas não pensa até que seja tarde demais. Sobre o que é o livro e o que as pessoas podem esperar ao ler?

Matthias Hollwich - New Aging é uma inspiração para começar a pensar positivamente sobre o envelhecimento e um guia divertido sobre pequenos ajustes na vida a partir de agora que podem fazer uma grande diferença no futuro. Todos nós estamos envelhecendo, mas a forma como envelhecemos é algo que podemos controlar.

V&A - No seu livro, você diz que percebeu que, aos 40 anos, estaria na metade da sua vida. Isso levou à ideia do livro sobre o envelhecimento. O que a sociedade e a arquitetura têm para oferecer para garantir o bem-estar na velhice?

Hollwich - Nós temos que parar de pensar que um dia seremos velhos, e somente quando isso acontecer, nós nos ajustaremos. O envelhecimento é um processo contínuo que começa com o nascimento e qualquer investimento em um envelhecimento saudável logo cedo faz diferença a longo prazo. Como 40 anos é, em média, o médio de nossas vidas, é um bom momento para refletir e ajustar, embora é claro que, quanto mais cedo, melhor.

V&A - O contexto socioeconômico em muitos países é um desafio quando se trata de envelhecimento. Como esses princípios podem ser adaptados no Brasil?

Hollwich - Todos nós estamos envelhecendo, que é um equalizador, embora existam diferenças culturais e socioeconômicas que afetem o processo. É por isso que é muito importante procurar soluções individuais, tendo em conta todas as circunstâncias. Pretendo capacitar as pessoas para repensar suas próprias vidas. Nenhum governo ou instituição nunca conhecerá todos os detalhes sobre nossos desejos e desafios individuais. Todos devemos entender que a chave está na forma como pensamos em nós mesmos, socializamos, mantemos a força corporal, comemos bem e vivemos bem. Só então poderemos começar a criar nossa estratégia personalizada - e torcemos para que a sociedade em geral nos ajude nesses objetivos.

V&A - De que forma os estilos de vida de hoje pedem novas formas de arquitetura para os lugares que mais frequentemente ocupamos em nossas vidas diárias, como espaços residenciais?

Hollwich - Gastamos 95% de nossas vidas em arquitetura. Nós comemos, dormimos, nos exercitamos, trabalhamos e socializamos em arquitetura. É por isso que todas as tipologias precisam ser repensadas para o envelhecimento. Tipologias residenciais são certamente fundamentais, pois é aqui que a maioria dos ativos está acontecendo. A maioria das tipologias residenciais de hoje em dia estão desatualizadas porque elas não refletem de forma correta o modo de vida da sociedade atual. Um apartamento de dois quartos se torna desatualizado quando as crianças se mudam. Um quarto tende a não funcionar para ser compartilhado por duas pessoas que não se relacionem. Há muitos mais desses exemplos que precisam ser abordados.

V&A - Que tipos de ajustes sociais você acha que as pessoas devem fazer em sua comunidade?

Hollwich - Todos nós temos de perceber que as interações sociais autênticas são necessárias para uma vida feliz e saudável. Isso é verdadeiro tanto quando somos jovens e quando envelhecemos. Nossos espaços comunitários precisam ser projetados de forma a que convidem às interações a ocorrer de forma natural sempre reunindo as pessoas. É sobre o momento em que nos encontramos com novos amigos e começamos a ampliar nosso círculo social.

V&A - Como o bom design pode nos ajudar a romper o código do envelhecimento?

Hollwich - Não há uma bala de prata e sim vários ajustes que precisam ser trabalhados juntos. Precisamos de apartamentos que funcionem para todas as idades - idealmente com novas oportunidades de convivência. Precisamos de lugares onde possamos socializar, fazer e conhecer novos amigos. Precisamos de edifícios incorporados em um contexto de bairro com uma mistura saudável de lojas, restaurantes e outras atividades com fácil acesso. Precisamos de edifícios que funcionem em todos os tipos de deficiência física para que possamos usar esses edifícios durante toda a vida, não apenas quando jovens e saudáveis. Precisamos de ambientes onde possamos continuar com atividades significativas, além da nossa vida profissional, como voluntariado, consultoria e investimento.

V&A - Em conjunto com o ‘New Aging’, você também desenvolveu um conceito arquitetônico para a vida multigeracional chamado ‘Skyler’. Fale sobre o funcionamento do Skyler e quais tipos de espaços compreende?

Hollwich - Skyler é um protótipo que redesenha o processo de envelhecimento para que os moradores possam moldar seu próprio futuro. Seiscentas unidades residenciais oferecem espaço para um grupo intergeracional de mil pessoas com elementos pensados para tornar a convivência mais amena em todo o edifício. O prédio oferece uma mistura de microestúdios para maximizar a economia, apartamentos em comum que eliminam o isolamento e os duplex que atuam como casas unifamiliares. A Skyler convida as pessoas a viverem cooperativamente e a compartilhar facilidades como transporte e espaço de trabalho para se manter saudável, social e ativa em todas as idades. 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.