Diário da Região

09/11/2017 - 09h35min

SMART HOME

Casa do futuro com jeitinho brasileiro

Pessoas garimpam sensores e outros componentes em lojas na Santa Ifigênia ou sites chineses e criam seus próprios protótipos de casa inteligente

Ter uma casa que acende as luzes da entrada, ajusta o ar-condicionado na temperatura certa e coloca música para tocar antes de a porta ser aberta ainda é algo para poucos. Mas já existem brasileiros que estão usando seus conhecimentos em tecnologia para, sem gastar muito, trazer essas soluções para seu dia a dia. Eles garimpam sensores e outros componentes em lojas na Rua Santa Ifigênia ou sites chineses e criam seus próprios protótipos de casa inteligente.

Para a maioria deles, automatizar a casa vai além da comodidade. Antenados em tecnologia, eles não querem esperar as ferramentas lançadas no exterior chegarem ao Brasil. Além disso, imaginam o potencial de democratizar essa novidade. "Há muita utilidade nisso para pessoas com dificuldades em se movimentar", diz o designer Marcelo Lopes, que criou um canal no YouTube sobre o tema. "Quero ensinar as pessoas a automatizar com custo baixo."

Lopes, de 38 anos, começou a automatizar sua casa em São Lourenço, no sul de Minas Gerais, há cerca de um ano. De lá para cá, ele colocou sensores nas luzes, transformou o smartphone em controle remoto universal, colocou senhas na fechadura da porta de casa e ainda desenvolveu um sistema para controlar tudo isso por meio da voz. "Comprei 90% dos materiais em sites chineses, então não gastei nem R$ 200", conta.

O "cérebro" por trás do projeto é um tipo de placa batizada de Arduino, que serve para o desenvolvimento de protótipos eletrônicos e pode ser facilmente encontrada por menos de R$ 100. Automatizar a casa dessa forma, porém, depende de algum conhecimento de programação. "A pessoa pode configurar um sistema com base em softwares de código aberto. Dá até para usar uma assistente pessoal personalizada", diz Alan Godoy, pesquisador do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD).

Mas há alternativas para quem não entende de programação. Basta fazer pequenas adaptações em casa com produtos inteligentes à venda no mercado, como fez o engenheiro Luís Leão, de 35 anos. Com lâmpadas inteligentes, fechadura eletrônica importada e um sistema de vigilância conectado, ele automatizou seu apartamento em São Paulo. Leão usou a caixa de som inteligente Google Home - ainda não disponível no Brasil - para controlar tudo conversando com o assistente pessoal do Google.

Quem importa um aparelho como esse, porém, enfrenta dificuldades, já que a interação com os assistentes em caixas de som só acontece em inglês - o Google Assistant funciona em português, mas apenas no celular. Eduardo Peixoto, diretor de negócios do instituto de pesquisas Cesar, em Recife, comprou o alto-falante Echo, da Amazon, mas aproveita pouco o produto. "Ele não funciona bem fora dos Estados Unidos, pois depende de muitos aparelhos que só são vendidos lá."

Além disso, a conexão entre os dispositivos de fabricantes diferentes, a chamada interoperabilidade, ainda é deficiente. Isso faz os moradores de casas conectadas precisarem de múltiplos aplicativos para fazer a casa funcionar de forma adequada, o que não é prático.

Integração

Encontrar dispositivos inteligentes à venda no Brasil é uma tarefa difícil. A reportagem visitou a Rua Santa Ifigênia, tradicional de venda de eletrônicos em São Paulo, e achou apenas câmeras de segurança conectadas.

Esse é um dos motivos que fazem a maior parte dos brasileiros que querem automatizar a própria casa procurar os chamados integradores, profissionais especializados em automação residencial. O investimento, porém, é alto: os projetos custam a partir de R$ 30 mil. Isso explica o fato de o Brasil ter apenas 300 mil casas inteligentes - o mercado ficou estagnado nos últimos dois anos, por causa da crise.

Para José Roberto Muratori, presidente da Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside), o brasileiro não tem a cultura de fazer reparos em casa, quanto mais projetos complexos. "Fazer automação envolve mexer na instalação elétrica, na iluminação", diz. "O brasileiro paga até para trocar a resistência do chuveiro."

 

Assistentes de voz abrem espaço para outras tecnologias

INOVAÇÃO

O comando de voz sempre foi um dos maiores desejos nos projetos de automação residencial. E, conforme os assistentes pessoais ganham espaço, eles devem substituir os aplicativos em smartphones e tablets como centrais de controle.

Para Alan Godoy, pesquisador do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), a tendência nos próximos anos é que haja uma mistura das duas formas de comando. "O smartphone tem uma aderência muito grande de pessoas mais novas, mas o comando de voz pode ser mais confortável para idosos, que têm dificuldades com o celular", exemplifica.

Já Jessica Ekholm, vice-presidente de pesquisas do Gartner, acredita que a voz deve predominar somente nos próximos quatro anos. "Depois, teremos controles de gestos e reconhecimento facial como algo tão importante quanto voz", afirma.

Empresas como Apple e Samsung estão de olho nessas tendências e já colocaram tecnologias de reconhecimento facial em seus novos smartphones, iPhone X e Galaxy S8.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Apóss o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Ap�s o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.