Diário da Região

30/11/2017 - 09h52min

PERIFERIA PAULISTANA

Pombas Urbanas celebra público de 20 mil por ano

O antigo supermercado com 1.600 metros quadrados abriga a sede do grupo e outras três companhias

Com um sistema de ruas conhecido como "espinha de peixe", a Cidade Tiradentes, extrema zona leste, inspira que as fronteiras existentes sejam ambientes propícios para histórias. No bairro criado nos anos 1970 para dar conta de famílias desalojadas por obras públicas, também existe, desde 2004, o Centro Cultural Arte em Construção, onde o grupo Pombas Urbanas encerra temporada de Cidade Desterrada, neste sábado, 2, e domingo, 3.

"As ruas se conectam apenas com as avenidas, mas não entre si. No início, os moradores precisavam mostrar o documento da moradia para entrar e sair, como medida de segurança", conta o ator Adriano Mauriz, integrante do grupo fundado pelo peruano Lino Rojas, morto em 2005.

Foi nessa mesma época que as ruas só recebiam uma linha de ônibus, deixando moradores reféns de transporte público. Um dia, cansados de tanto esperar, os passageiros prenderam o fiscal da companhia e alertaram à empresa responsável que ele só seria solto quando liberassem mais ônibus para a região. "Nós descobrimos muitas histórias como essa em encontros com antigos moradores. Eles recordam das transformações que o bairro sofreu."

Em 2010, a população somava mais de 220 habitantes nos mais de 40 conjuntos habitacionais, um dos maiores projetos do gênero da América do Sul. A atriz Cinthia Arruda discorda do cálculo e isso também é discutido na peça que tem como parceiros o figurinista Carlos Alberto Gardin, de Castelo Rá-Tim-Bum, e iluminação de Edgar Duprat, do Ballet Stagium.

"Além das moradias, há muitas ocupações em terrenos que ultrapassam 200 mil pessoas. É difícil chegar a esses números, porque elas não têm endereço fixo e então não integram as estatísticas", afirma Cinthia. Em apenas um ano, o Centro Cultural já conseguiu atender quase 10% dessa população, entre flutuantes e fixos, ou seja, mais de 40 mil pessoas, em aulas de música, circo, dança, e serviços de biblioteca.

O antigo supermercado com 1.600 metros quadrados abriga a sede do grupo e outras três companhias. Hoje, serve de espaço para picadeiro, teatro, salas de administração e biblioteca com mais de 10 mil livros batizada com o nome de Milton José Assunção, dramaturgo negro morador do bairro que trabalhava como ponto - profissional que "soprava" as falas caso os atores esquecessem - no TBC, no Bexiga, e que escreveu mais de 20 peças. Entre os próximos projetos, o centro cultural quer montar uma sala multimídia, um teatro ao ar livre, e encenar as peças de Assunção.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

 

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Apóss o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Ap�s o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.