Diário da Região

25/10/2017 - 22h45min

Artigo

Imunidade e impunidade

Quando o parlamentar se afasta do exercício regular do mandato, não pode ter imunidade

A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que conferiu ao Congresso o poder de reavaliar medidas cautelares impostas a parlamentares, ao invés de serenar os ânimos, acabou por jogar mais lenha de fogueira das vaidades políticas e judiciais.

A questão de fundo era saber se uma medida cautelar (o recolhimento noturno, por exemplo), imposta pelo Judiciário, deveria ser submetida a um juízo político, proferido pela Câmara dos Deputados ou pelo Senado Federal. O plenário do STF, em julgamento apertado, decidiu que sim, desde que a medida possa interferir no exercício do mandato parlamentar.

O clima, que já não era dos melhores no STF, azedou de vez com essa decisão, que representa uma profunda fratura ideológica na mais alta corte de Justiça do país. A imunidade parlamentar só existe para proteger o exercício regular do mandato, que, em hipótese nenhuma, pode sofrer cerceamento e muito menos qualquer constrangimento.

Entretanto, sempre que o parlamentar, afastando-se do exercício regular do seu mandato, passa a praticar crimes comuns, a imunidade não deveria subsistir, caso contrário, teríamos uma classe de pessoas fora do alcance da lei, em qualquer situação.

A esta altura, sempre voltamos ao fato de nossa República ter sido mal instalada, se é que algum dia tenha mesmo saído do papel. Como o fundamento da República não prevê qualquer tipo de privilégio, o parlamento não poderia impedir a Justiça de impor a seus membros as medidas cautelares previstas em leis, ainda que ordinárias.

Existe uma ampla argumentação no sentido de que a imunidade parlamentar não deve ser interpretada extensivamente, mas também não podeser reduzida. Ao mesmo tempo, não seria razoável, e tampouco aceitável, supor que a imunidade fosse conferida ao parlamentar para que ele praticasse crimes. De fato, ela só existe para evitar perseguições e dar ampla liberdade de ação política aos legisladores. É justamente o que consta do caput do art. 53 da CF: “Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”.

Segundo o voto (vencido) do ministro Barroso, a possibilidade de que o Judiciário não possa exercer seu poder cautelar para impedir o cometimento de delito em curso é a negação do Estado de Direito. Significaria dizer que o crime é permitido para algumas pessoas. Tal interpretação que comporta um viés de ativismo judicial, porém mais afinado com os valores da Constituição e em harmonia com os anseios da sociedade, pelo combate à corrupção e à impunidade.

Por fim, convém aqui observar que todo esse imbróglio jurídico-político deve-se fundamentalmente à existência do malfadado foro privilegiado, não aplicado na maioria dos países realmente civilizados. No Brasil, a Constituição afirma que todos são iguais perante a lei (art. 5º). Se, de fato, tal preceito republicano fosse mesmo real, toda essa discussão não teria nenhuma razão de ser.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso