Diário da Região

30/10/2017 - 10h01min

SOB CORTES

Três óperas ganham montagens em São Paulo

Don Giovanni, de Mozart, está em cartaz no Teatro São Pedro. Os Pescadores de Pérolas, de Bizet, estreia no Municipal, e La Traviata, de Verdi, ocupa o Sérgio Cardoso

Um conquistador lendário, uma sacerdotisa hindu, uma cortesã na Paris do século 19. Don Giovanni, de Mozart, está em cartaz desde sábado no Teatro São Pedro; Os Pescadores de Pérolas, de Bizet, estreia nesta segunda, 30, no Teatro Municipal; e, também nesta segunda, uma produção de La Traviata, de Verdi, ocupa o Teatro Sérgio Cardoso, depois de breve turnê pelo interior do Estado. Três personagens, três óperas em cartaz na cidade - uma coincidência feliz em um ano que não tem sido fácil para o gênero.

Os números são pouco animadores. No Municipal, houve até agora apenas duas - em 2016, foram quatro. Os festivais de Belém e Manaus realizaram edições mais enxutas. No Municipal do Rio, apesar de produções como Jenufa e A Tragédia de Carmen, a temporada tem convivido com paralisações pelos atrasos no pagamento de salários, que na semana passada levaram também ao cancelamento do balé O Lago dos Cisnes.

Don Giovanni é a segunda ópera apresentada pelo São Pedro após a chegada, no final do primeiro semestre, da Santa Marcelina Cultura à gestão do teatro. A programação inclui ainda a opereta La Belle Hélène, de Offenbach, em novembro. A depender da renovação do contrato de gestão no final deste ano, a entidade terá a próxima temporada para consolidar a nova proposta de repertório e de atividade pedagógica.

A produção é a mesma apresentada no Festival do Theatro da Paz em setembro deste ano, com direção de Mauro Wrona e cenários de Nicolas Boni, mas com novo elenco e direção musical, agora a cargo do maestro Claudio Cruz. No entanto, tudo precisou ser reconstruído em São Paulo, segundo a Santa Marcelina, por questões de custo e logística: as dimensões dos palcos são diferentes, havia o risco de que o tempo necessário para o transporte dos cenários gerasse atrasos nos ensaios e nas récitas e houve divergências quanto aos termos de cessão de figurinos.

No Municipal de São Paulo, o clima ainda é de incertezas. Depois de Os Pescadores de Pérolas, não há nenhuma confirmação oficial a respeito de outros projetos ainda para esta temporada. O teatro está sem diretor artístico desde que o Instituto Odeon assumiu sua gestão, em setembro. Não há previsão para o anúncio de um nome, nem posição oficial sobre a informação de que a agenda está sendo preparada por um conselho artístico, composto pelo secretário municipal de Cultura André Sturm, o maestro Roberto Minczuk, o coreógrafo Ismael Ivo e Carlos Gradim, presidente do Odeon. Que papel a ópera terá nas temporadas futuras também é uma incógnita.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.