Universitária sofre estupro coletivo em Rio Preto Ícone de fechar Fechar

Dopada

Universitária sofre estupro coletivo em Rio Preto

Jovem foi violentada por dois homens em um apartamento


    • São José do Rio Preto
    • máx 33 min 22

Uma estudante de 21 anos sofreu estupro coletivo praticado por dois homens, n noite de quarta-feira, dia 5, em Rio Preto. A vítima teria sido dopada antes de ser violentada dentro de um apartamento. A moça foi parar no Hospital Maternidade da Criança.

Segundo informações da polícia, a estudante universitária foi convidada por um amiga para beber no apartamento do namorado da colega. Quando chegou lá, também estava um outro homem, que ela se recordar ser obeso.

Os quatro começaram a beber e durante o bate papo, o namorado da colega sugeriu que a estudante ficasse com o colega dele. A jovem recusou, dizendo que não estava afim, e todos permaneceram conversando, sem voltar a tocar no assunto.

A jovem se recordar que teve de ir ao banheiro e deixou seu copo de bebida em uma mesa. Quando retornou, ela voltou a beber no mesmo copo, mas em alguns minutos, passou a ser sonolência e depois desmaiou.

No depoimento à polícia, a jovem diz que acordou em outro apartamento, totalmente nua, com o homem obeso, também nú, em cima do corpo dela, mantendo relações sexuais. Pouco tempo depois, ela novamente desmaiou.

Ao recobrar os sentidos, a universitária acordou novamente nú, sendo violentada, desta vez, pelo namorado da amiga, que estava em cima do corpo dela.

A estudante não tem ideia de quantas vezes foi estuprada e por quantas horas tudo isso aconteceu. Ela foi deixada na rua. Logo em seguida, pediu ajuda para um primo que a acompanhou para o Hospital da Criannça e Maternidade, onde foi encaminhada ao serviço de atendimento à vítimas de estupro.

De acordo com o boletim de ocorrência, o médico colheu sangue da jovem, para enviar para o laboratório e tentar descobrir qual substância pode ter sido ministrada no corpo da vítima.

A vítima não soube dizer exatamente qual os locais em que ocorreram os ataques, porque ainda não estava totalmente recuperada, no momento do depoimento à polícia.

O caso será encaminhado para investigação da Delegacia de Defesa da Mulher de Rio Preto.