Diário da Região

18/09/2017 - 19h03min

O EMMY DAS MULHERES

The Handmaids Tale e Big Little Lies foram as grandes vencedoras

Tirando uma ou outra categoria, a cerimônia do Emmy 2017 foi certeira em suas escolhas. Muitas delas esperadas, claro, mas não por isso menos agradáveis de ver e comemorar.

Divulgação A atriz Elizabeth Moss do
A atriz Elizabeth Moss do "The Handmaids Tale" foi a vencedora de melhor atriz -drama pelo Emmy 2017

Tirando uma ou outra categoria, a cerimônia do Emmy 2017 foi certeira em suas escolhas. Muitas delas esperadas, claro, mas não por isso menos agradáveis de ver e comemorar. E ainda há o fator relevância, com a premiação reconhecendo talentos diversos e se tornando um exemplo de representatividade. Tudo sem deixar a política de lado, claro, com o apresentador da noite Stephen Colbert cutucando o presidente dos Estados Unidos Donald Trump sempre que possível.

E as mulheres fortes dominaram a premiação. As grandes campeãs da noite, The Handmaid’s Tale, do serviço de streaming norte-americano Hulu que ainda não chegou ao Brasil, e Big Little Lies, da HBO, são produções de peso protagonizadas por mulheres e que dominaram 2017. As duas tiveram algumas das melhores recepções da crítica e geraram grande burburinho entre os fãs de televisão.

Além disso, são séries que abordam temáticas sérias e relevantes como perda de direitos humanos e violência doméstica. É a junção da qualidade com a relevância, algo que também deve ser levado em conta por uma premiação na hora de escolher seus vencedores. The Handmaid’s Tale desbancou a competição forte de séries como The Crown e Westworld – a mais indicada da noite – e saiu da cerimônia com cinco prêmios nas principais categorias de série dramática.

Melhor série, melhor atriz (Elizabeth Moss), melhor atriz coadjuvante (Ann Dowd), melhor direção (Reed Morano) e melhor roteiro. Big Little Lies também conquistou cinco prêmios entre os principais na sua categoria, que é de série limitada. Venceu como melhor série, melhor atriz (Nicole Kidman), melhor ator coadjuvante (Alexander Skarsgård), melhor atriz coadjuvante (Laura Dern) e melhor direção (Jean-Marc Vallée).

Já entre as comédias, Veep levou, sem nenhuma surpresa, mas merecidamente, seu terceiro prêmio consecutivo como melhor série, assim como Julia Louis-Dreyfus que venceu como melhor atriz pelo sexto ano consecutivo. Somadas às duas estatuetas que Julia já tinha antes de Veep, agora ela está empatada com Cloris Leachmen como a recordista na premiação com oito Emmys.

Atlanta, outra favorita entre as comédias, não saiu de mãos abanando. A produção do canal FX levou importantes prêmios como melhor direção e melhor ator, ambos para seu criador e protagonista Donald Glover, que fez história ao ser o primeiro diretor negro a vencer na categoria desde que a premiação foi criada.

Primeiros

Ainda entre os momentos históricos, Riz Ahmed, que levou o prêmio de melhor ator em série limitada por seu trabalho em The Night Of, se tornou o primeiro homem com ancestralidade asiática a vencer um Emmy. Já Lena Waithe, que venceu o Emmy de melhor roteiro por uma série de comédia junto com Aziz Ansari pelo episódio Thanksgiving, de Master of None, se tornou a primeira mulher negra com um prêmio na categoria nos 69 anos da premiação.

Decepção

Não houve decepção maior na noite que na categoria melhor reality show de competição. Entre tantos veteranos já premiados, consagrados e com fórmula cansada, RuPaul’s Drag Race, que vive seu melhor momento, parecia a aposta certeira. Mas os votantes da Academia de Artes e Ciências da Televisão dos Estados Unidos preferiram The Voice, o que decepcionou muitos dos espectadores.

Vencedores do Emmy 2017

Série - Drama

  • The Handmaid’s Tale

Ator - Drama

  • Sterling K. Brown, This Is Us

Atriz - Drama

  • Elisabeth Moss, The Handmaid’s Tale

Atriz coadjuvante - Drama

  • Ann Dowd, The Handmaid’s Tale

Ator coadjuvante - Drama

  • John Lithgow, The Crown

Direção - Drama

  • Reed Morano, The Handmaid’s Tale

Roteiro - Drama

  • Bruce Miller, The Handmaid’s Tale

Série - Comédia

  • Veep

Atriz - Comédia

  • Julie Louis-Dreyfus, Veep

Ator - Comédia

  • Donald Glover, Atlanta

Atriz coadjuvante - Comédia

  • Kate McKinnon, Saturday Night Live

Ator coadjuvante - Comédia

  • Alec Baldwin, Saturday Night Live

Direção - Comédia

  • Donald Glover, Atlanta

Roteiro - Comédia

  • Aziz Ansari and Lena Waithe, Master of None

Filme para TV

  • Black Mirror, San Junipero

Série Limitada

  • Big Little Lies

Atriz - Filme para TV ou série Limitada

  • Nicole Kidman, Big Little Lies

Ator - Filme para TV ou série Limitada

  • Riz Ahmed, The Night Of

Atriz coadjuvante - Filme para TV ou Série Limitada

  • Laura Dern, Big Little Lies

Ator coadjuvante - Filme para TV ou Série Limitada

  • Alexander Skarsgård, Big Little Lies

Direção – Filme para TV ou Série Limitada

  • Jean-Marc Vallée, Big Little Lies

Roteiro - Filme para TV ou Série Limitada

  • Charlie Brooker, Black Mirror, San Junipero

Reality Show de Competição

  • The Voice

Programa de Variedades

  • Last Week Tonight With John Oliver

Roteiro - Programa de Variedades

  • Last Week Tonight With John Oliver

Direção de Série de Variedades

  • Don Roy King, Saturday Night Live

análise

Você precisa conhecer The Handmaid’s Tale

Beto Carlomagno

A principal vencedora do Emmy 2017 ainda não é muito conhecida do grande público brasileiro, mas precisa ser. The Handmaid’s Tale, série do serviço de streaming norte-americano Hulu que ainda não chegou a terras tupiniquins, arrebatou os principais prêmios do Emmy na noite deste domingo, 17. Uma vitória merecida pela qualidade da produção e necessária pela temática que aborda.

Imagine um mundo em que o fundamentalismo religioso e o fanatismo ditam as regras. Um mundo em que os Trumps, Putins e Bolsonaros venceram a batalha e suas opiniões excludentes são a regra. Um mundo em que a arte e a cultura são ilegais, em que gays, lésbicas e transexuais são agredidos e assassinados simplesmente por serem quem são, em que as mulheres perderam todos os direitos.

Sim, não precisamos imaginar muito, essa descrição não está muito distante do que vivenciamos diariamente no Brasil de hoje e por isso que o retrato pintado por The Handmaid’s Tale nas telinhas é tão assustador. Ele aponta para um futuro que pode ser o nosso caso deixemos a intolerância vencer.

Baseada na obra de Margaret Atwood, de 1985, a série se passa em um futuro próximo, onde as taxas de fertilidade estão caindo. Em meio ao caos, um governo totalitário ganha força e nasce a República de Gileade, uma teonomia cristã que domina o que um dia foi o território dos Estados Unidos em meio a uma guerra civil ainda em curso.

Nela, as mulheres perderam todos os seus direitos e aquelas que continuam férteis são obrigadas a atuarem como aias para famílias da elite. Elas devem engravidar dos homens de poder para que eles e suas esposas possam ser pais.

Elizabeth Moss interpreta uma dessas mulheres, presa na casa de uma dessas famílias inférteis, obrigada a participar de rituais mensais na esperança de dar a luz a um bebê. É um estupro permitido, uma violência assistida.

The Handmaid’s Tale não é uma série fácil. A familiaridade com a realidade e os discursos que ouvimos no dia a dia dói, mas é uma necessidade, além de um prazer visual – ela é esteticamente linda – e de conteúdo.

Beto Carlomagno é jornalista, cinéfilo e viciado em séries de TV

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso