X
X

Diário da Região

06/10/2017 - 14h27min / Atualizado 18/09/2017 - 19h19min

VIDEOINSTALAÇÃO

Jef Telles tira os artistas dos bastidores

Conhecemos as obras deles por exposições e mostras espalhadas pela cidade e região. Mas quem são esses artistas e mentes criativas?

Victor Natureza/Divulgação Jef Telles entrevistando artistas para o projeto na Casa das Janelas; foram mais de 60 participantes
Jef Telles entrevistando artistas para o projeto na Casa das Janelas; foram mais de 60 participantes

Conhecemos as obras deles por exposições e mostras espalhadas pela cidade e região. Mas quem são esses artistas e mentes criativas? O que os motiva e faz com que a engrenagem de suas mentes gire? São essas perguntas que o ator e diretor Jef Telles quer responder com o seu mais novo trabalho, INDO - O que Fizemos que Estamos, que está exposto no Riopreto Shopping até o dia 23 de setembro. Não se trata de bastidores da arte, mas talvez, sobre os bastidores dos artistas. Seus pensamentos, modo de enxergar a vida e o mundo.

“Tudo começou com Teatrópolis, evento multimídia realizado no Sesc Rio Preto, envolvendo cerca de 60 artistas com recortes de cenas de espetáculos da cidade. Um mês antes do Teatrópolis me questionei: ‘será que tudo que o artista tem pra dizer está em suas obras? Quem é o artista por trás das obras? Será que o artista conhece os artistas da cidade? E como o público poderia conhecer um pouco mais sobre o artista?’”, conta Jef sobre o ponto de partida deste trabalho.

O projetos nasceu de uma ampliação da etapa documental do projeto Teatrópolis chamada O que Fizemos que Estamos... INDO?. Para a produção, Jef convidou cerca de 150 artistas para um bate-papo que foi gravado na Casa das Janelas. “Divulgamos na internet e na mídia impressa. O objetivo era entrevistar a maior quantidade de pessoas possível. Não houve uma seleção e nós conseguimos atender todos que se disponibilizaram a participar”, explica.

Henrique Sezara e Isabella Matos dividiram as entrevistas com Jef. A captação de som foi de Bruno Clementin e de Guilherme Di Curzio, enquanto a produção de espaço foi feita por Bruna Borges, Ubirathan do Brasil e Jorge Etecheber e a produtora geral Daniela Honório. A captação de imagens e a fotografia foram de Fernando Macaco e Samuel Merighi.

Foram três encontros e mais de 60 artistas dando entrevistas sobre o passado, o presente e o futuro da arte, passando principalmente pela cidade e o cotidiano de cada um.

“A maior reflexão, talvez, é simplesmente o público poder se encontrar com esses artistas enquanto eles mesmos possam se conhecer mais, uns aos outros. Existe um panorama de angústias e projeções nos discursos captados, mas que vão além do mercado de arte, tecnologia e o futuro de nós mesmos. No fim, as reflexões são internas e se expandem na medida em que cada espectador absorve e dilui os seus pensamentos aos depoimentos dos artistas”, pondera sobre o resultado final.

Mas o resultado do trabalho acabou indo além do desnudamento do artista para o público, se tornou, também, fundamental para a compreensão própria, afirma Jef.

“O artista é um autista disfarçado. Tamanha sensibilidade e universos diferentes dificultam a fruição das palavras e o entendimento simplificado do que há dentro de cada um. Ao mesmo tempo é instigante e me fez enxergar muito do que há em mim. Acredito que a gente se mistura. Numa visão macro, nos diluímos em nós mesmos, sendo eu, um espelho dos outros e vice-versa.”

Selecionado pelo Prêmio Nelson Seixas, o projeto irá circular por Rio Preto antes de seu destino final, a internet. Depois da estreia no Riopreto Shopping, ele será apresentado no festival Arena Cacilda, no Teatro Municipal Humberto Sinibaldi Neto, dia 25. Também integra a circulação uma exibição do trabalho em formato de documentário para jovens atendidos pela Arprom, no dia 5 de outubro. E no dia 6, o artista leva uma instalação em vídeo mapping para dentro de uma cozinha na Casa de Cultura Dinorath do Valle. “Cada uma das exibições tem um formato diferente e conteúdos diferentes.”

Web série

INDO - O que Fizemos que Estamos foi pensado inicialmente como uma web série com capítulos que discutissem inúmeros assuntos a partir do tema: o que fizemos que estamos INDO? O projeto segue a linha de um documentário, mas Jef prefere chamar apenas de obra documental. “Acredito que seja um recorte do fragmento de uma época.”

A web série começa a ser publicada na Internet logo após o término da circulação, em duas postagens por semana página Café Insônia, no Facebook (www.facebook.com/cafeinsonia3) e no Youtube.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso