SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | QUINTA-FEIRA, 07 DE JULHO DE 2022
RIO PRETO EM FOCO

A história das enchentes de Rio Preto

Águas das chuvas do centro e da Vila Maceno terminavam no rio Preto, que era um fundo de vale; quando os córregos Borá e Canela transbordavam, ninguém podia passar até as águas baixarem

Cesar Belisario
Publicado em 08/03/2020 às 00:30Atualizado em 07/06/2021 às 05:35
Enchente registrada em 1986: uma das maiores da cidade foi em 19 de março (Arquivo Público - Toninho Cury r)

Enchente registrada em 1986: uma das maiores da cidade foi em 19 de março (Arquivo Público - Toninho Cury r)

Fundada em 19 de março de 1852, Rio Preto, até a virada do século 20, ainda tinha poucos bairros além do centro da cidade. A vila Maceno, como a Boa Vista, é um dos mais antigos e abrigou o segundo cemitério da cidade, onde hoje está a praça Ugolino Ugolini. O terreno foi doado pelo fundador João Bernardino de Seixas Ribeiro, em 1896.

Em 1907, o inspetor de Saúde Pública Aristides Serpa condenou o Cemitério da Maceno por causa do declive do terreno, que jogava as águas de chuvas no rio Preto. Toda chuva do centro da cidade e da vila Maceno terminavam no rio Preto, que era um fundo de vale.

Quando os córregos Canela e Borá transbordavam, acabavam inundando toda aquela área, isolando a vila Maceno do centro da cidade. Ninguém podia passar até as águas baixarem. Até o trem da Fepasa precisava esperar.

Em 12 de janeiro de 1940, aconteceu a primeira grande enchente da cidade, inundando muitos estabelecimentos comerciais que já existiam naquela área. Diziam os mais antigos que uma figura pitoresca chamada "Tchatcho", que era muito forte, atravessava a nado a área alagada, transportando munícipes nas costas. Virou uma lenda das enchentes da cidade. Somente na década seguinte, com a conclusão do Palácio das Águas, a canalização do rio Preto e a construção da primeira Represa Municipal, na gestão do prefeito Philadepho Gouveia Neto, que amenizou a situação por um bom tempo.

Mesmo assim, em 19 de março de 1986, aconteceu, talvez, a maior enchente da história, transbordando os canais da agora avenida Philadelpho Gouveia Neto. O local virou um rio. Mas tivemos também uma outra grande tragédia ali naquele local. Logo depois dos trilhos da Fepasa funcionava, em enormes barracões, um dos maiores empreendimentos da história da cidade: a Sociedade Algodoeira Rio Preto, de Gabriel Jorge Cury, o popular "Japurá". Ele foi o pioneiro na comercialização e industrialização do algodão na região, dominando o mercado do início dos anos de 1930 até o final da década de 1960.

Em 18 de março de 1969 aconteceu uma tragédia: a trágica morte do industrial rio-pretense. Segundo o jornal A Notícia, por volta das 13 horas, aconteceu uma explosão no escritório da empresa, seguido de um incêndio.

O corpo de Bombeiros foi chamado e conseguiu conter as chamas antes que elas se alastrassem pelos depósitos de algodão. Um corpo foi encontrado no escritório em estado semicarbonizado. Uma aliança e uma correntinha com medalha ajudaram na identificação do corpo. Era o de Japurá. "Explosão, incêndio e mistério: o trágico acontecimento de domingo", foi o título da matéria do Diário da Região, escrita pelo histórico repórter policial J. Ravache.

O lamentável acontecimento causou profunda repercussão em toda região. Posteriormente, os barracões foram demolidos para dar lugar à Praça Cívica.

Nos anos 1970, águas das chuvas provocam alagamentos em Rio Preto

Em 1940 cidade já sofria com impactos das águas

Gabriel Jorge Cury, o Japurá

Barracão da algodoeira deu lugar à praça cívica

Praça Cívica sofre com enchente, no ano de 1986

Barracões da Algodoeira foram palco de trágico incêndio, onde morreu Japurá

Sociedade Algodoeira Rio Preto, uma das maiores empresas da cidade

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por