Vida e Estilo

  • Sábado, 25 de Março
  • A raiz de todos os males é o egoísmo!
Vida e Estilo

Matéria

Domingo, 29.03.15 às 00:02 / Atualizado em 29.03.15 às 00:02

O que fazer quando o tesão acaba?

Gisele Bortoleto
Stock Images/Divulgação casal cama Stock Images/Divulgação
Relações prolongadas tendem ao esfriamento na cama, ainda que exista amor

Aumentar o repertório sexual e cultivar o erotismo em meio às exigências do dia a dia e às pressões do trabalho e dos filhos nem sempre é uma tarefa fácil. Tesão acaba. "O problema que eu mais escuto é a falta de tesão no casamento. Muitos casais continuam se amando. Mas é difícil entenderem que amor e sexo são coisas distintas. Isso acontece com a maioria dos casais. Quanto mais aumenta o carinho, a solidariedade, a amizade, mais diminui o tesão", explica a psicanalista e sexóloga Regina Navarro Lins. O lugar mais vulnerável a um sexo de pior qualidade é o casamento. É o sexo burocrático.

É muito maior do que se imagina o número de mulheres que fazem sexo sem nenhuma vontade. Há muitas tentativas de postergar a obrigação que elas se impõem para manter o casamento, mas às vezes não tem jeito. "Quando o marido se mostra impaciente, o carinho e a amizade que sente por ele, ou o medo de perdê-lo, faz com que a mulher se submeta ao 'sacrifício'. Quando a mulher perde o tesão pelo marido, deseja intensamente voltar a senti-lo. Principalmente se a convivência é prazerosa e o marido possui diversas características que lhe agradam", diz Regina Navarro Lins. 

"Penso que o amor sempre é importante em uma relação conjugal, mas dificilmente um amor persiste por muito tempo se não for alimentado. Amor conjugal supõe trocas relacionais, afetivas e sexuais", diz a psicóloga Maria Rita Seixas. Quando nada disso existe mais, o amor tende a diminuir e acaba. "O relacionamento está apoiado em um tripé: o afetivo, o sexual e o social, e essas três áreas têm de estar equilibradas para não deixar a relação desmoronar", diz a terapeuta familiar e de casais Maria Luiza Paulozzi. 

Problemas do cotidiano interferem

"Os problemas do cotidiano interferem muito em uma relação conjugal, e as pessoas têm a visão de que se o outro já está ao seu lado podem deixar a intimidade pra depois", diz a psicóloga Ana Cristina Canosa, psicoterapeuta e especialista em educação e terapia sexual, coordenadora do curso de pós-graduação em educação sexual do Centro Universitário Salesiano (Unisal), e professora no curso de pós-graduação em sexualidade da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp).

Durante o namoro, os casais investem mais no parceiro e no encontro amoroso, que se dá geralmente nos fins de semana, porque só têm aquele dia para ficar com o parceiro. "Em uma relação estável, existem outros compromissos, com a casa ou os filhos, o estresse, os problemas de cada um, contas a pagar, que fazem com que as pessoas esqueçam de privilegiar a intimidade", complementa. 

Mesmo que os dois se gostem, a rotina, a excessiva intimidade e a falta de mistério acabam com qualquer emoção. Numa relação estável, busca-se muito mais segurança que prazer. Para se sentirem seguras, as pessoas exigem fidelidade, o que é limitador e também responsável pela falta de tesão. 

"A certeza de posse e exclusividade leva ao desinteresse, por eliminar a sedução e a conquista", diz Regina Navarro Lins. Familiaridade com o parceiro, associada ao hábito, pode provocar a perda do desejo sexual, independentemente do crescimento do amor e de sentimentos como admiração, companheirismo e carinho.

HOMENS SENTEM MENOS

:: O número de homens que perde o tesão é bem menor do que o de mulheres. Para cada homem que não tem vontade de fazer sexo, há, pelo menos, quatro mulheres nessa situação. Alguns fatores contribuem para isso. "O homem, na nossa cultura, é estimulado a iniciar a vida sexual cedo e se relacionar com qualquer mulher. Outra razão seria a necessidade de expelir o sêmen e, por último, sua ereção rápida, na medida em que necessita de menos quantidade de sangue irrigando 
seus órgãos genitais", explica Regina Navarro Lins.

O QUE FAZER?

:: Na maioria dos casos, não se trata de um problema pessoal, e sim um fato inerente a qualquer relação prolongada. O mais importante é dialogar para descobrir porque o tesão acabou. A causa do problema pode estar ligada a diversos fatores físicos e psicológicos, como ansiedade, rotina, estresse e falta de admiração pelo par. "Existem várias coisas que podem fazer, como viajar sozinhos, um curso que dê prazer aos dois, como aprender a dançar, que garante bom humor e diversão. Isso aproxima os casais e traz consequência positiva para o sexo", sugere Ana Canosa.

Comentários

Recomendadas

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Facilite seu acesso agregando uma
conta de rede social ao seu perfil
Sexo
Confirme seu cadastro

Para acessar nossos conteúdos especiais é necessario que você ative seu cadastro.

Acesse seu e-mail e clique no link que lhe enviamos. Caso não tenha recebebido, digite abaixo seu e-mail.