Vida e Estilo

  • Segunda-feira, 26 de Junho
  • A vida bem preenchida torna-se longa!
Vida e Estilo

Matéria

Sexta-feira, 14.04.17 às 19:44 / Atualizado em 14.04.17 às 19:44

Conexão que transforma vidas

Tatiana Pires
StockImage/Divulgação Mãos - 15042017

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do
Diario da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

StockImage/Divulgação Mãos - 15042017

Muitas pessoas se sentem incomodadas com o clima do ambiente em que vivem e desejam ardentemente ‘construir um mundo melhor’ para si, para seus filhos e netos. Mas o que podemos fazer para criar uma atmosfera positiva e transformar o ambiente em que vivemos? 

A resposta está nas conexões que mantemos diariamente com as pessoas. Quem cria laços de amizade sinceros vive mais feliz e saudável, física e emocionalmente. Criar vínculos torna a vida enriquecedora e nos faz sentir mais seguros. Promover alianças gera um ambiente de tranquilidade, seja em seu local de trabalho ou em casa.

Podemos dizer que o mundo é uma rede de interrelacionamentos e que se meu próximo está feliz ou triste interfere de alguma maneira em mim. O fisioterapeuta e orador espírita Oceander Fernando Fonseca Veschi ressalta que estamos todos interligados pela energia da qual fazemos parte. Essa atmosfera, seja positiva, ou negativa, influencia individualmente na vida de cada um de nós. Mas também interfere no todo. 

“Se em algum ponto do mundo pessoas passam por dificuldades, como vemos hoje claramente na Síria, a energia de dor que estas pessoas emitem passam a fazer parte da energia do mundo. Como nele estamos inseridos, direta ou indiretamente, passamos a permear estas energias. O bem estar do outro também nos atinge. Quem não fica mais à vontade diante de alguém que está feliz? E quem não fica tenso quando está próximo de alguém que está irritado ou infeliz?”, questiona.

A capacidade de criar vínculo está ligada à sanidade mental. O termo ‘vínculo’ tem um s<CW9>ignificado muito profundo. “Criar vínculos é plantar sementes. Sem plantar e cultivar a semente, como poderá haver colheita no futuro? Quanto mais profundos os vínculos, mais rica se torna a vida social da pessoa. Ela sente que tem um porto seguro e a medida que se sente amada, quer retribuir”, afirma a psicóloga Luciana Ferreira.

A vida social é enriquecida com as relações que mantemos. Os benefícios psicológicos vão desde se sentir confiante até prevenir doenças desencadeadas pela solidão. “Aquele que consegue manter relações sociais respeitosas e afetuosas é bem quisto pela maioria das pessoas, e estabelece em sua existência amizades duradouras e sólidas, e afasta de si a solidão e a depressão”, afirma Oceander.

Estreitar laços e criar vínculos com outras pessoas nos auxilia a encontrar um significado e um propósito para nossas vidas. “Crescemos através da interação com outras pessoas, que nos trazem continuamente a vida. Ao abrir nossa vida e nosso coração para que o outro entre, passamos a nos conhecer melhor. É um círculo virtuoso. Quem dá, acaba recebendo”, argumenta Luciana

Para que nossa contribuição em prol do coletivo flua de maneira natural, é preciso se basear em algo que consideramos uma diretriz. Exemplos a serem seguidos nos dão um norte a respeito de como nossas atitudes devem ser pautadas. 

“Como cristão, tenho em mente que meu guia é Jesus, e procuro além de aprender sobre seus ensinamentos, tentar colocá-los em prática. Inicialmente, após nos depararmos com estas informações cristãs, passamos a tentar praticá-las de maneira artificial, até que um dia elas se tornem hábitos, e consequentemente, virtudes adquiridas. A naturalidade se consegue após muito esforço em se melhorar como indivíduo”, finaliza Oceander.

Você poder mudar

Agora, você pode estar se perguntando: como criar conexões com amigos? Como estreitar os laços com quem já somos íntimos? A famosa frase de Mahatma Gandhi nos dá a dica: “Seja a mudança que você quer ver no mundo.”

Atuar como um agente de união requer prestar atenção em nossos gestos, ações, palavras, ideias e pensamentos, cotidianamente. O resultado do que ‘produzimos’ é que nos torna um agente de união.

“O sujeito cuidadoso com sua fala, com seu gestual e com suas ações é alguém já melhor preparado para o agrado que todos esperam, e quando as pessoas se sentem à vontade com ele, podendo ser elas mesmas, sem máscaras ou receios, estabelece-se um vínculo de respeito e afeição capaz de nos conduzir à fraternidade, que resulta na união entre as pessoas”, diz Oceander.

A maior dificuldade para se conectar com o outro está em nossa própria autoproteção. É um mecanismo natural, intrínseco ao ser humano desde os primórdios. A psicóloga e palestrante Márcia Luz afirma que no período em que os homens viviam nas cavernas havia muitas agressões externas, e riscos. Para sobreviver, a mente precisava fazer com que o ser humano fosse o mais cauteloso possível porque ele podia ser devorado a qualquer momento. 

“Acontece que, hoje, os perigos que temos no nosso mundo, embora existam, não são na ordem do que era na época primitiva. No entanto, a mente continua tentando nos manter na zona de conforto. É como se a mente erguesse muros a volta para nos proteger. O mesmo muro que te protege, te aprisiona. Ficamos reféns de nós mesmos.”

Tudo melhora a cada dia

Em um momento em que aparentemente as pessoas estão desanimadas com a cries econômica, violência, estresse do dia a dia, existem forças, energias e pessoas que estão se esforçando para construir um mundo melhor. Talvez nossa percepção não esteja à par de tudo que realmente acontece, mas enquanto poucos produzem desarmonias, muitos trabalham em prol do desenvolvimento da sociedade em que vivemos.

“Apesar das crises tudo melhora a cada dia”, acredita o fisioterapeuta e orador espírita Oceander Fernando Fonseca Veschi. Para ele, estamos arraigados pela cultura de darmos mais publicidade às crises e crimes. Com isso corremos o risco de nos deixarmos abater pelo pessimismo. “Mas existem aqueles que trabalham ativamente em prol do equilíbrio.”

Um exemplo citado pelo orador espiritual é um grupo chamado Fraternidade Sem Fronteiras, que reúne brasileiros de todas crenças religiosas em busca de amenizar a dor causada pela miséria em crianças africanas, especialmente de Moçambique e Madagascar.

“Na casa espírita que frequento, o Aeluz, aqui de Rio Preto, são oferecidos inúmeros benefícios à população, especialmente para as crianças da comunidade, que são assistidas para que seus pais possam trabalhar. Idosos que não tendo mais moradia nem familiares, moram na instituição, em seu asilo, e recebem dignidade para completarem o resto de vida que lhes sobra”, afirma e cita Haroldo Dutra Dias, que viaja o mundo, realizando palestras que esclarecem, consolam e dão entendimento às pessoas a respeito das realidades da vida, sob a ótica cristã.

Ele auxilia no esclarecimento das pessoas que o assistem, para que elas ganhem motivação a continuarem suas existências de maneira mais feliz e com fé. “Entidades e pessoas são inúmeras que produzem o bem comum, e estão aumentando cada dia que passa, graças a Deus!”

Atitudes Exemplares

  1. Uma pessoa agregadora é aquela que sabe ouvir com atenção, deixando o outro satisfeito por se sentir importante
  2. Ela compreende o comportamento do outro como sendo diferente do seu, sem entrar em conflito com ele. Uma pessoa que é capaz de conviver bem precisa saber que todos somos diferentes
  3. Elogiar é um gesto de grandeza e de acolhimento. Buscar o ponto forte do outro e contar isso pra ele é atitude de quem tem elevada autoestima, e deixa o outro satisfeito em ser reconhecido e notado. Pessoas que elogiam tem mais amigos
  4. Não falar mal de ninguém. Quando ainda não conseguimos fazer isto, afastamos as pessoas e nós, até mesmo aquelas com quem “desabafamos”, que ficam sabendo (mesmo que indiretamente) que um dia você falará mal dela também. A crítica só poderá ser menos destrutiva quando falamos diretamente com aquele que temos alguma insatisfação. Dizer sobre ele à terceiros não é uma ação de quem busca união e felicidade
  5. Chamar as pessoas pelo nome é uma boa ação de quem quer estabelecer vínculos mais fortes. Todos gostamos muito de sermos valorizados, e quando ouvimos o nosso nome, gostamos muito de quem faz isso conosco

Fonte: Oceander Fernando Fonseca Veschi, fisioterapeuta e orador espírita

 

Comentários

Recomendadas

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Facilite seu acesso agregando uma
conta de rede social ao seu perfil
Sexo
Confirme seu cadastro

Para acessar nossos conteúdos especiais é necessario que você ative seu cadastro.

Acesse seu e-mail e clique no link que lhe enviamos. Caso não tenha recebebido, digite abaixo seu e-mail.