Diário da Região

13/09/2014 - 00h47min

Com sabor de alho

O pão de alho acompanha bem um churrasco

Com sabor de alho

Guilherme Baffi Empresário fazem sucesso vendendo o Pão de Alho Bady
Empresário fazem sucesso vendendo o Pão de Alho Bady

Durante nove anos, Márcio Donizete Soares, 42 anos, foi motorista da família do advogado Carlos Augusto Tosta de Oliveira Lima, 38 anos. Até que teve uma ideia para mudar os rumos da própria vida. Propôs sociedade ao patrão em uma fábrica de pão de alho. Carlos entrou com o capital, Márcio com a mão de obra. Há seis anos, fazem sucesso vendendo o Pão de Alho Bady. Os produtos já chegam em todo o Estado de São Paulo e a outros quatro Estados.


Foi em um churrasco da família de Carlos que Márcio fez a proposta. “Em toda festa da nossa família, o Márcio é o churrasqueiro oficial. Até hoje é assim. Quando serviu o pão de alho, disse que conhecia um padeiro que fazia um melhor do que aquele. Fizemos um teste, gostei e começamos a levar a ideia para frente,” diz Carlos. O teste principal foi feito com o irmão de Carlos. Morador de São Paulo, ele recebeu alguns pães e foi incumbido de apresentar a vizinhos. “Na época, pão de alho ainda era novidade, quase ninguém conhecia. E a aceitação foi muito boa em São Paulo. Nessa hora, vimos que daria certo o negócio,” afirma Márcio.


Começaram com estrutura pequena. Mesmo assim, a primeira fornada assustou. “Bateu um desespero. Deu 180 bandejas. Pensei: como vamos vender tudo isso? Para minha surpresa, foi bem fácil. E a produção não parou mais de aumentar,” diz Carlos. Ao longo do tempo, o padeiro foi substituído e a receita recebeu algumas alterações. A produção também. Antes era tudo manual, agora máquinas dão mais velocidade ao processo. Isso sem perder a qualidade do recheio. Se no início do negócio havia dois armários para armazenar pães, agora são 35. Estão com cinco fornos e duas grandes batedeiras. Agora carece de mais espaço para dar conta da demanda.


Os dois caminhões da empresa entregam para toda a região. Mas as vendas ultrapassam os limites regionais. A empresa tem revendedores na capital do Estado e no litoral. Também no Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso do Sul e Pará. “São lugares em que não se conheciam os pães até pouco tempo atrás. Foi difícil a entrada nesse mercado, agora virou febre,” diz Márcio.


A empresa está com 18 funcionários. Funciona de segunda a sábado. De segunda a sexta-feira, é a produção dos pães. De terça a sábado, o recheio e embalagem. São três sabores: tradicional, requeijão e picante. Todos com muçarela. No varejo, o pacote sai a R$ 5 em média. Também vendem queijo coalho e bolinha. Para atender churrascarias e restaurantes, criaram o mini pão de alho. São menores, que podem ser servidos em rodízios de forma mais fácil. O espaço da fábrica compreende escritório, depósito, câmaras frias, salas dos fornos, dos recheios e da manipulação. Para melhorar a produção, no entanto, precisam de mais espaço. “Pelo menos o dobro da área que temos,” diz Márcio.

Guilherme Baffi Carlos e Márcio: a ideia prosperou e hoje a empresa tem 18 funcionários e dois caminhões para entregas em cinco Estados

Com a mão na massa

Além da empresa de pão de alho, Carlos é advogado e cuida da fazenda da família, em Mato Grosso do Sul. Tem pouco tempo para ajudar na condução do negócio. Assim, sua mulher, Eliana, 35 anos, trabalha na parte administrativa e o representa na fábrica. O casal tem duas filhas, Ana Júlia, 14, e Ana Luísa, 7. Márcio é de Floreal. Veio para Rio Preto aos três anos. Mudou-se para Bady Bassitt com a mulher, Edinéia, 44 anos. O casal tem uma filha, Bárbara, 12 anos. Depois de trabalhar como atendente em bar e em fábrica de reciclagem, ele foi contratado como auxiliar de serviços gerais no escritório de advocacia da família de Carlos e logo passou a motorista.A transformação de empregado para sócio foi natural, garantem. “Sempre tivemos relação de amizade e confiança. Quando era motorista, ele levava e buscava minha filha pequena à escola. Como ele que teve a ideia, foi mais do que justo abrirmos juntos a fábrica,” diz Carlos.Apesar dos muitos funcionários e dos compromissos administrativos, os sócios não hesitam em arregaçar as mangas e partir para a linha de produção. Como as vendas estão aumentando, a fábrica não pode parar. “Meu avô um dia me disse que para mandar, é preciso saber fazer. Por isso, nós dois sabemos fazer todos os processos de produção. Se falta algum funcionário, ajudamos a produzir os pães também.”
Receita: Pão de alho caseiro
Ingredientes::: 4 colheres (sopa) de maionese:: 4 colheres (sopa) de margarina:: salsa desidratada ou orégano a gosto:: 3 dentes de alho amassados e triturados:: 6 pães (tipo francês) Modo de preparo: Faça 4 ou 5 cortes em cada pão, como se fosse fatiar, mas sem ir até o final. Misture bem todos os ingredientes em uma tigela. Recheie cada corte com o creme de alho. Com o creme que restar, passe mais um pouco em cima e nas laterais dos pães. Leve à churrasqueira ou ao forno. Serviço:Pão de Alho Bady fica na rua Antônio Vieira Coelho, 816, bairro Água Limpa 2, Bady Bassitt. Fone: (17) 3258-2122 >> Leia aqui o Diário da Região Digital

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.