Diário da Região

10/02/2017 - 21h50min

Washington

Autoridades do Fed citam benefícios da imigração em meio a debate político

Washington

Autoridades do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), estão manifestando cada vez mais apoio à imigração como uma ferramenta importante para impulsionar o crescimento econômico, enquanto o presidente Donald Trump segue com políticas para restringir o fluxo imigratório em seu país. A maioria das autoridades do Fed estão sendo cuidadosas para não falar sobre políticas migratórias específicas e não comentaram publicamente as ações de Trump, mas alguns alertaram que a imigração é necessária para abastecer a expansão da força de trabalho, que é um componente crucial do crescimento econômico. "Nós precisamos aumentar a força de trabalho", disse o presidente da unidade da Filadélfia do Fed, Patrick Harker, em um discurso na Pensilvânia. "Não é uma história complicada". Ele argumenta que um programa que permite vistos temporários para trabalhadores altamente qualificados pode ajudar a impulsionar a economia. Trump tem criticado o programa, dizendo que esses trabalhadores substituem americanos com salários mais baixos. O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, disse recentemente que frear a imigração pode dificultar o crescimento econômico. "Os empregadores tem se beneficiado por terem um número maior de trabalhadores qualificados", disse o dirigente em um discurso em Illinois no começo do mês. Os comentários dos dirigentes marcam mais uma divergência da abordagem do governo Trump com alguns desafios econômicos. Muitos deles disseram que as políticas fiscais com o intuito de impulsionar a demanda agregada no curto prazo não beneficiariam a economia agora, enquanto o presidente promete aquecer o crescimento com cortes de impostos e aumento de gastos fiscais. Alguns também defenderam o livre comércio em um momento em que a Casa Branca está planejando rever tratados que Trump diz prejudicar os trabalhadores americanos. O crescimento da economia americana desacelerou fortemente desde a recessão, para cerca de 2% ao ano ante uma faixa de 3% a 4% nas últimas décadas. Economistas do Fed dizem que vários fatores contribuíram para o enfraquecimento da economia, mas entre os principais está a desaceleração do crescimento do número de trabalhadores americanos, bem como o de sua produtividade. A força de trabalho norte-americana cresceu 5,8% de 2004 a 2014, ou menos da metade do que crescia na década anterior, quando aumentou 12,5%, de acordo com o Escritório de Estatísticas do Trabalho. A agência estima que a força de trabalho vai crescer 5% no período entre 2014 e 2024, atribuindo a desaceleração a mudanças demográficas, como diminuição do crescimento populacional e o envelhecimento dos baby boomers, que começaram a se aposentar. Fonte: Dow Jones Newswires.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso