Diário da Região

20/02/2017 - 16h52min

São Paulo

Venda de armas pesadas no mundo atinge maior nível desde a Guerra Fria

São Paulo

O volume de armas pesadas vendidas tem crescido e, segundo dados do Instituto para a Pesquisa da Paz Internacional (Sipri, na sigla em inglês), atingiu entre 2012 e 2016 o maior patamar para qualquer quinquênio desde o fim da Guerra Fria. Houve aumento no fluxo de armas para Ásia e Oceania e para o Oriente Médio, na comparação com 2007-2011, enquanto houve recuo na Europa, nas Américas e na África. Os cinco maiores exportadores de armas do mundo são Estados Unidos, Rússia, China, França e Alemanha - juntos, eles representam 74% do total de armas exportadas. Entre as regiões, na Ásia e na Oceania houve aumento de 7,7% nas armas importadas entre 2012 e 2016, na comparação com o quinquênio imediatamente anterior. A região ficou com 43% das importações globais de armas entre 2012 e 2016. Nesse período, a Índia foi o maior importador de grandes armas, com 13% do total global. "Sem instrumentos de controle de armas regionais em vigor, Estados na Ásia continuam a expandir seus arsenais", afirmou Siemon Wezeman, pesquisador sênior do Sipri, em comunicado do instituto. No Oriente Médio, as importações de armas cresceram 86% na comparação quinquenal e representaram 29% das importações globais entre 2012 e 2016. A Arábia Saudita foi o segundo maior importador de armas, com crescimento de 212% em suas compras. Os EUA são o maior exportador de armas do mundo, com crescimento de 21% na comparação quinquenal. Quase a metade das exportações do país vão para o Oriente Médio. Já a Rússia tem 23% desse mercado global, com 70% de suas armas vendidas para Índia, Vietnã, China e Argélia. Na América Latina, as importações de armas da Colômbia recuaram 19% na comparação quinquenal, no momento em que o país caminhava para fechar um acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que acabou por se concretizar. Além disso, Bogotá negocia acordo similar com outro grupo guerrilheiro, o Exército de Libertação Nacional (ELN). Já o México teve aumento de 184% em suas importações de armas, em meio a uma guerra contra os cartéis do narcotráfico no país.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso