Diário da Região

22/01/2017 - 14h32min

São Paulo

Doria: GCM não vai tirar cobertor de morador de rua

São Paulo

O prefeito João Doria (PSDB) admitiu neste domingo, dia 22, que o decreto que retirou a proibição de guardas civis metropolitanos (GCM) de recolher cobertores de moradores de rua "não ficou claro", mas afirmou que essa ação não será feita. "Isso seria uma desumanidade. E isso não vai ser feito. Foi apenas para preservar legalmente o direito da GCM de poder ajudar a Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social e Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania para não haver a ilegalidade do ato. Mas jamais a retirar nem pertences e muito menos cobertores dessa população." Ele também afirmou que o decreto não será refeito. No decreto publicado neste sábado, 21, no Diário Oficial do Município, a administração Doria retirou um parágrafo que proibia a Guarda Civil Metropolitana (GCM) de recolher colchões e cobertores de moradores de rua. A medida altera decreto do ex-prefeito Fernando Haddad (PT), que vedava a prática. O petista soltou a resolução após polêmica envolvendo essa população, durante o inverno do ano passado, quando cinco moradores de rua morreram de frio na cidade. O decreto de Haddad proibia a retirada de "itens portáteis de sobrevivência" dos moradores de rua, como "papelões, colchões, colchonetes, cobertores, mantas, travesseiros, lençóis e barracas desmontáveis". Na nova redação do decreto, esse item foi suprimido. Permanece vedada a apreensão de bens pessoais, "tais como documentos de qualquer natureza, cartões bancários, sacolas, medicamentos e receitas médicas, livros, malas, mochilas, roupas, sapatos, cadeiras de rodas e muletas", de instrumentos de trabalho, "como carroças, material de reciclagem, ferramentas e instrumentos musicais". Na agenda desta manhã, Doria disse que a Prefeitura apagou alguns grafites da avenida 23 de Maio porque estavam "pichados". E voltou afirmar que irá combater a pichação na cidade e valorizar o trabalho dos grafiteiros. O prefeito visitou a Vila Maria na zona norte, e deu sequência ao Mutirão Mário Covas. Ele recolheu pedras da calçada e cimentou um trecho e plantou uma árvore. Ele também acompanhou um grupo de cadeirantes - movimentando-se ele mesmo sobre uma cadeira de rodas - em um trecho de uma rua do bairro. Depois, inaugurou um campo de grama sintética, na Vila Carioca, na região do Ipiranga, na zona sul.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso