Diário da Região

10/07/2016 - 00h00min

artigo

Cenas da sala de quimioterapia

artigo

NULL NULL
NULL

Costas arqueadas e andar vacilante, mais um paciente chega à sala para sessão de quimioterapia. Não o impede o olhar vago, quase triste, de um curioso exame do ambiente. Estou sentado de frente para ele - e com um fio de voz murmura que aquela é a sua primeira vez.

Conta-me que é da roça e possui um pequeno sítio, com renda que “dá pro gasto”, algumas cabeças de gado, a quem chama de minhas vaquinhas, um pomal (sic) de frutas, uns pés de mandioca, da boa, e verduras que ele vende na feira do sábado à tarde na vila.

Sentindo-se acolhido estende a conversa e quer saber se me adaptei à quimioterapia. Eu, que na minha primeira vez pairava entre angustiado e curioso, sugiro-lhe calma. Aclimatado, o homem da roça usa expressão que lhe é peculiar: mas não é de arrancar pica-pau do oco, ou é? E abre um sorriso maroto.

Depois de largo suspiro, cerra os olhos como se buscasse apoio. Não se demora alheio e logo os reacende a varrer os quatro cantos da sala. Ao revirar-se no sofá na busca de posição mais cômoda vê a mulher na poltrona ao lado.

Lânguida, ela mantém os olhos fechados, movimentando levemente os lábios. Não se contém e pergunta: “algum incômodo?” Ela o ignora. Insatisfeito, dispara a mesma pergunta. A mulher cessa o obsequioso movimento labial, volta-se para ele e responde que está rezando.

Aberta a comunicação, sente-se à vontade e quer saber o que ela fuxica com Deus em suas rezas. Ela sorri amável e diz que pede cura e forças para não fraquejar.

Entrementes, a enfermeira se aproxima e prepara o lavrador para receber os medicamentos. Depois de subjugado pelos estranhos apetrechos, ele estrebucha e respira fundo. E ao aparentar uma calma que não sente, mais parece uma das suas reses em dia de vacina, tentando fugir pelo curral da enorme seringa empunhada pelo veterinário. Ele sente frio (... na barriga) e a enfermeira oferece um cobertor.

Recebe-o e após um tênue ‘brigado’ enrodilha-se da cabeça aos pés e cobre inclusive o rosto. Faz-se silêncio. Súbito, o som de um violão! A porta se abre e um estranho entra na sala a cantar, dedilhando com maestria as cordas do instrumento.

Todos os pacientes - à exceção do lavrador blindado pelo cobertor – voltam-se para o recém-chegado (participante do grupo Doutores da Alegria – soubemos depois), que durante considerável tempo nos brinda com canções.

Pausando a música, faz sua apresentação pessoal e nos diverte com histórias e piadas, voltando às cantigas. Prestes a encerrar, revela sua origem da roça e pede licença para apresentar como número final uma moda do sertão: “Saudades de Minha Terra”.

Quando o “doutor da alegria” entoa o primeiro verso, o homem do cobertor se revira e vai descobrindo o rosto. Surgem então em primeiro plano seus olhos com brilho estelar.

Porém, surpresa maior estava para acontecer: o lavrador se livra do cobertor e com voz maviosa faz dupla com o violeiro, surpreendendo a plateia que, embevecida, ignora dores e recorda amores. Cantados os últimos versos da canção: “Eu preciso ir pra ver tudo ali/Foi lá que nasci, lá quero morrer/”, o rosto do lavrador avermelha-se e ele vai à mulher das rezas murmuradas e confessa: “cantando alto é a única maneira que eu sei de fuxicar com Deus...” E dá-lhe um abraço!

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Apóss o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Ap�s o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.