Diário da Região

16/07/2015 - 18h22min

Flash Bola

Meia Bira se destaca no Tanabi e atua na Votuporanguense

Flash Bola

Arquivo de Edwellington Villa TANABI Uma das formações em 1984. De pé, a partir da esquerda: Berto, Durval, Lacerda, Nilson, Camilo e Mauro; agachados, na mesma ordem: Luis Leopoldo, Bira, Wilson Prudêncio, Celinho e Silson
TANABI Uma das formações em 1984. De pé, a partir da esquerda: Berto, Durval, Lacerda, Nilson, Camilo e Mauro; agachados, na mesma ordem: Luis Leopoldo, Bira, Wilson Prudêncio, Celinho e Silson

Com excelente visão de jogo, ótimos lançamentos e passes precisos, Bira foi um talentoso meia/armador que atuou em nove clubes durante 14 anos como profissional. Na região, ele fez sucesso no Tanabi, onde esteve por três temporadas, e também vestiu a camisa da Votuporanguense, em 1980.
Nascido em Porto Alegre, no dia 2 de fevereiro de 1955, Ubirajara Veiga da Silva começou a jogar futebol aos 14 anos de idade nas categorias de base do Internacional. Foi campeão estadual sub-20 em 1975, no time que contava com o centroavante Luis Fernando Gaúcho e o lateral-direito João Luis Bolinha. Depois, ambos vieram para o América de Rio Preto.
Com raras oportunidades no time principal do Inter, Bira acabou vendido ao Novo Hamburgo, integrante da elite gaúcha. “Fiquei três anos lá”, informa. Em 1980, foi contratado pela Votuporanguense e disputou o Paulista da Divisão Intermediária (atual Série A-3). A equipe contava com o goleiro França, o volante/lateral Paulo Roberto (de Catanduva), o zagueiro Jairzão (ex-América), entre outros. Voltou ao futebol gaúcho em 1981 para defender o Caxias, junto com o meio-campista Tite, atual treinador do Corinthians.
O empresário Samuel Ratinoti viu Bira em ação e o levou para o Universitário de Lima, Peru. “Estreei na derrota de 2 a 1 para o River Plate da Argentina, que contava com o goleiro Fillol, Mario Kempes e outros craques”, recorda. “Fomos campeões peruanos e voltei ao Brasil no final de 1983”, destaca.
No ano seguinte, por indicação de Luis Fernando Gaúcho, Bira foi contratado pelo Tanabi. Com ele, a equipe foi 3ª colocada da Segunda Divisão (atual A-2) de 1985, atrás de Mogi Mirim e Novorizontino, os dois promovidos ao Paulistão. Em 1986, Bira acertou com o Taquaritinga, depois defendeu o Independente de Limeira e retornou ao Tanabi em 1988.
Na temporada seguinte, pendurou a chuteira e iniciou a carreira de supervisor, na Votuporanguense. Pouco depois, o técnico Bolão foi para o Rio Branco de Americana e Bira assumiu a equipe.

Comandou o ASA, que eliminou o Palmeiras

Bira Veiga fez boa campanha como técnico da Votuporanguense em 1989 e pegou gosto pela nova função. Depois, comandou Tanabi e Jalesense (ambos em 1990), Rio Preto e Operário de Ponta Grossa-PR (1991), Mirassol e Oeste de Itápolis (1992). “Subimos de divisão com o Jalesense e fomos campeões da Terceirona com o Oeste”, diz.
Ele ainda dirigiu Olímpia, Matonense, Portuguesa Santista (promovida ao A-2), União de Mogi, Vitória da Conquista-BA, CSA e o Pakhtakor, do Uzbequistão. “Fomos campeões nacionais e assumi a seleção do país nas eliminatórias da Copa de 2002”, informa. Foram 11 jogos na seleção, com cinco vitórias, quatro empates e duas derrotas.
Bira retornou ao Brasil, esteve no Corinthians-AL, foi campeão estadual pelo Sergipe em 2000, mas tornou-se reconhecido nacionalmente dois anos depois. Com o ASA de Arapiraca-AL, eliminou o Palmeiras na 1ª fase da Copa do Brasil. Dia 13 de fevereiro, o ASA venceu por 1 a 0. Uma semana depois, perdeu de 2 a 1 para o Verdão, de Vanderlei Luxemburgo, Marcos, Arce e Alex. O gol fora de casa deu a vaga ao time alagoano.
Em outra experiência internacional, Bira dirigiu o Mapau, de Trinidad e Tobago, e nesta semana assume o Destroyers, da Bolívia. Morador de Maceió, ele é pai de Eder e Elisson, que moram em Rio Preto, e de Lázaro, Everton e Pedro, que também residem na capital alagoana. O atual treinador possui quatro netos.

FICHA TÉCNICA

Tanabi 2
Durval; Jorge Saran (Baiano), Camilo, Ataliba e Ricardo Gato; Lacerda, Bira (Marco Aurélio) e Celinho; Teco, Mario Celso e Sidney Risadinha. Técnico: Naves.

Vocem de Assis 0
Carlos; Betão, Nilson Andrade, Luis Fernando e Toninho Lúcio; Carlão Otaviano, Serginho e Foguinho; Zé David, Itamar (Jorginho) e Bispo. Técnico: não obtido.

Gols: Ricardo Gato aos 23 e Mario Celso aos 30 minutos do segundo tempo.
Árbitro: Osvaldo dos Santos Ramos.
Renda: Cr$ 102,330 milhões.
Público: 7.750 pagantes, 820 menores e o total de 8.570. Local: estádio Alberto Victolo, em Tanabi, domingo, 10/11/1985, quando o Tanabi, com Bira, garantiu a classificação à fase final da 2ª Divisão.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.