Diário da Região

28/08/2015 - 00h00min

editorial

Sem feijão

editorial

Errar é humano. Persistir no erro é desinteligência. Não admitir nem provar o contrário e ainda insinuar que as vítimas do erro estão mentindo é negligência pura. Ou má-fé mesmo. Considerado um item básico e recomendado por nutricionistas, o feijão desapareceu das refeições servidas em parte das unidades de ensino infantil de Rio Preto, conforme reportagem do Diário mostrou ontem. Em algumas instituições, também estão em falta produtos complementares, e não menos importantes, como as frutas, e até mesmo as bolachinhas.

O descaso não foi apontado de forma isolada, mas por mães de alunos que frequentam pelo menos quatro instituições diferentes, localizadas em regiões distintas da cidade. Não só isso. As informações, que coincidem em vários pontos e convergem totalmente no caso do feijão, são reforçadas por professores e funcionários, que por motivos óbvios preferiram ter a identidade preservada. “No mês passado faltou óleo, agora falta feijão”, segundo o relato de uma das mães, que acrescenta: uma funcionária chegou a levar feijão de casa para os alunos.

Em abril, a Prefeitura já havia cometido deslize na preparação da merenda de creches e escolas municipais. Na falta de óleo vegetal, recomendou substituição por água e sal ou margarina, cujo uso excessivo eleva o colesterol. A reportagem apurou que em uma das escolas a direção sugeriu aos professores fazer uma “vaquinha” para comprar o óleo. Na ocasião, o Conselho Municipal de Alimentação Escolar se posicionou com firmeza, afirmando que exigiria explicação da Secretaria de Educação.

Desta vez, o tal conselho fraquejou e preferiu se calar. A presidente do órgão disse que não falaria nem por telefone nem pessoalmente com a reportagem porque não tinha tempo. Enquanto isso, a Secretaria da Educação divulgou uma nota oficial simplesmente afirmando apenas que os alimentos não estão em falta. Na ótica da secretaria, tudo está na mais perfeita ordem. Como sempre esteve, a propósito, no episódio dos uniformes dos alunos, entregues com atraso e ainda assim de forma incompleta.

Não se trata de exigir, nem dá para esperar que o governo municipal faça uma administração impecável sob todos os aspectos. O que não dá para aceitar é que reaja de forma prepotente e cínica, e não tenha humildade ou competência para admitir e resolver os problemas. A população de Rio Preto não merece uma administração inspirada na alegoria do avestruz, que enfia a cabeça na terra para não enxergar o que está acontecendo.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso