Diário da Região

O Ministério Público Federal (MPF) deu 60 dias para as prefeituras de Rio Preto e Votuporanga adotarem o sistema de ponto eletrônico para todos servidores municipais que trabalham nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). A determinação pode ser o fim de um favorecimento que dura desde maio do ano passado, quando a Prefeitura de Rio Preto resolveu instalar equipamentos de controle de presença nos postinhos. Desde então, todos os funcionários da saúde foram obrigados a utilizar o ponto eletrônico. Todos, menos os médicos. O argumento utilizado pela Prefeitura para justificar o privilégio não diz absolutamente nada. Afirma que os médicos se enquadram no artigo 308 do Estatuto do Servidor Público, pelo qual fica a critério do prefeito decidir se o funcionário pode ser dispensado do controle de jornada. O que o Executivo não explica, porém, é o porquê dessa medida valer exclusivamente para os médicos. O favorecimento gerou revolta nos demais servidores municipais. Em outubro do ano passado, enfermeiros enviaram uma reclamação ao Conselho de Saúde pedindo a dispensa do ponto eletrônico. Ou então que o controle de jornada seja estendido aos médicos. Até agora, não houve resposta por parte da Prefeitura.


É um absurdo essa deferência, como se os médicos fossem servidores de primeira classe dispensados de justificar sua presença no trabalho. Ao contrário. A principal queixa de pacientes que procuram os postos de saúde é a falta de profissionais para fazer o atendimento. Existe sim déficit de médicos na saúde municipal. Mas também são constantes as reclamações por ausência de profissionais que simplesmente não compareceram ao serviço. É incrível que a Prefeitura, entre a pressão dos médicos e a qualidade no atendimento, fique com a primeira opção. Óbvio que boa parte dos profissionais respeita o horário nas UBSs. Assim como a maioria dos servidores do município. E não há argumento que justifique exigir a presença de uns e liberar outros. Agora, com a pressão do Ministério Público Federal, o cenário deve mudar. A procuradora Anna Flávia Ugatti diz que, se o ponto eletrônico não for implantado integralmente em 60 dias, vai impor multa aos dois municípios. Surpreendente que a adoção de uma medida que beneficia a população seja implementa apenas após pressão do MPF. Isso, é claro, se a Prefeitura não inventar novos subterfúgios para livrar os médicos. Mais uma vez.



>> Leia aqui o Diário da Região Digital

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.