Diário da Região

23/02/2016 - 22h52min

Brasília

Novo presidente da OAB critica decisão do STF e falta de diálogo do governo

Brasília

Oficialmente empossado na noite desta terça-feira, 23, o novo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, não poupou artilharia para comentar o atual cenário político e econômico do País. Em uma só tacada, ele criticou uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que autorizou a prisão de condenados em segunda instância e também chamou a falta de diálogo do governo para resolver a crise de "negação da política". "Se alguém for condenado a uma pena, que a cumpra, após o esgotamento de todos os recursos e nos exatos termos da Constituição Federal. Se existe crime, que haja castigo, mas garantido o contraditório e a ampla defesa", disse o novo presidente. Ele foi aplaudido de pé pela plateia, formada por advogados associados e autoridades. Sentados em lugares de honra durante a cerimônia, os ministros do Supremo Ricardo Lewandowski, Teori Zavascki, Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes, no entanto, não esboçaram reação. Lamachia também foi duro ao criticar o encaminhamento dado pelo governo diante das crises econômica e política atual. Sem citar nomes, o presidente da Ordem recém-empossado disse que a falta de diálogo do governo é "negação da política" e afirmou que o Brasil "flerta" todos os dias com a irresponsabilidade. "A economia do País derrete, e a única coisa que se vê são algumas autoridades tentando salvar seus próprios mandatos. Todos pensam em si mesmos e ninguém pensa na nação, que hoje mais parece uma nau à deriva", afirmou o novo presidente da OAB. O discurso durou cerca de uma hora. O presidente da OAB classificou o momento político e econômico de "atoleiro" e de "absoluto desastre institucional". Ele afirmou que é preciso "altruísmo de todos" para que o Brasil supere os problemas atuais. Corrupção Lamachia também criticou o uso de recursos ilegais para financiamento de campanhas políticas e chamou de "verdadeira vergonha nacional" o fundo partidário, que garante à legendas recursos públicos para realização de propaganda. "Todo esse dinheiro dado aos partidos é gasto sem licitação, e com uma fiscalização de uma Corte Eleitoral, que não é uma Corte de Contas", ressaltou. O novo presidente da Ordem voltou a defender o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), investigado pela Operação Lava Jato, e do senador, Delcídio Amaral (PT-MS), que foi solto na semana passada após passar cinco meses preso por envolvimento no esquema de corrupção da Petrobrás. O ex-presidente da Ordem, Marcus Vinícius Furtado Coêlho, se despediu do cargo defendendo a adoção de medidas para implementar a reforma política e criticou o modelo de presidencialismo de coalizão, que ele chamou de "raiz dos grandes males da conduta política nacional". "A corrupção é uma chaga que drena os recursos que poderiam ser investidos na garantia dos direitos fundamentais", disse Coêlho. (Gustavo Aguiar)
Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.