Diário da Região

06/11/2015 - 17h58min

Brasília

Presidente e relator da CPI dizem que polarização não contamina os trabalhos

Brasília

A presidente da CPI dos Crimes Cibernéticos da Câmara, deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), reconhece a contaminação, mas minimiza que a polarização político-partidária entre governistas e oposição esteja dominando os trabalhos da comissão. "A polarização foi de dois ou três membros. Das cerca de 30 sessões que tivemos, apenas três foram sobre assuntos relacionados a isso", diz. Instalada em agosto deste ano para apurar crimes cibernéticos como pedofilia e delitos ligados ao sistema financeiro, a CPI dos Crimes Cibernéticos alterou seu foco para apurar como operam os grupos pró e anti governo na internet. Opositores ao governo da presidente Dilma Rousseff passaram a focar seu trabalho na comissão em apurar possível financiamento do Planalto a sites piratas e publicidade digital e transferência de recursos para agências ligadas ao PT e ao governo. Parlamentares de esquerda, por sua vez, passaram a pedir que a CPI investigue a atuação de grupos pró-impeachment de Dilma. Embora seja filiada a um partido de oposição ao governo e aliada ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a presidente da CPI diz que vem tentando evitar que a disputa política interfira nos trabalhos. Ela conta que, durante a votação na CPI, costurou acordo para que os requerimentos de convocação se tornassem convites, quando a pessoa não é obrigada a comparecer. Na semana passada, Mariana apresentou requerimento pedindo a prorrogação dos trabalhos da CPI por mais 60 dias. A previsão inicial era de que a comissão acabasse em 4 de dezembro. Ela nega que a polarização tenha atrasado os trabalhos. "Pedi porque tem muitos assuntos para debater", diz, citando pedidos de convocação de delegados e especialistas de crimes cibernéticos. Componente O relator da CPI, deputado Esperidião Amin (PP-SC) também minimiza os efeitos da polarização no andamento da comissão. "É impossível imaginar que a componente político-partidária não esteja presente na CPI. Ela é um componente, não é contaminação", diz. Segundo ele, a polarização está presente em vários espaços da Câmara. Para Amim, as convocações dos grupos pró e contra governo eram "indispensáveis". "Se alguém requereu, é porque achava que podia ter algum crime cibernético. Você não pode censurar", afirmou. O deputado afirmou que pretende levar em consideração os depoimentos em seu relatório, "tanto para aumentar quanto para dar desconto". "Vai ser um trabalho presumido pela sensatez."
Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.