Diário da Região

21/09/2015 - 19h27min

Brasília

Governo estima em R$ 127,8 bi até 2019 impacto de eventual derrubada de vetos

Brasília

O Palácio do Planalto distribuiu nesta segunda-feira, 21, um levantamento com a estimativa das perdas, caso todos os vetos presidenciais sejam derrubados. O impacto total nas contas públicas seria de R$ 127,8 bilhões entre 2015 e 2019. A iniciativa é uma tentativa do governo de convencer os parlamentares a não derrubar os vetos presidenciais que irão a votação amanhã em sessão do Congresso Nacional. Os cálculos do Planalto foram baseados em projeções feitas pelos Ministérios do Planejamento e da Previdência, e pela Secretaria da Receita Federal (Ministério da Fazenda). Incluem o reajuste dos servidores do Judiciário; aplicação do reajuste do salário mínimo a todos os benefícios do INSS; isenção de PIS/Cofins para óleo diesel, e dedução de Imposto de Renda devido para professores, correspondente ao gasto com aquisição de livros. Caso o Congresso resolva voltar ao fator 85/95 fixo em relação à regra antiga, haverá ainda o impacto adicional de R$ 1,101 trilhão até 2050. A medida de reajuste dos servidores do Judiciário em 2015 teria um custo de R$ 1,5 bilhão. Segundo nota, o projeto de lei 2.648 é um acordo entre o governo e o Judiciário com um impacto de 23,2% sobre a folha e deverá ser dividido em quatro anos. Esta alternativa corresponderia a um impacto de R$13,6 bilhões e um efeito líquido de R$23,6 bilhões. A aplicação de reajuste do salário mínimo a todos os benefícios do INSS prevista na MP672 não teria reflexos em 2015 segundo dados divulgados pelo Planalto. Até 2019, R$ 11 bilhões seriam descontados das contas do governo. O argumento do Planalto para o veto é de que "nos anos seguintes, com a retomada do crescimento do PIB e do aumento real maior do salário mínimo, o crescimento será exponencial, elevando ainda mais a diferença em relação à regra vigente". A isenção do PIS/Cofins para óleo diesel impactaria em R$ 3 bilhões as contas públicas. Até 2019, esse número aumentaria para R$64,6 bilhões. "Em 2015, o impacto da isenção de PIS/Cofins sobre óleo diesel é de R$1 bilhão por mês. Para calcular o impacto anual, assumiu-se a perda de receita a partir de outubro", diz a nota. A dedução de IRPF devido para professores, correspondente ao gasto com aquisição de livros também não representa perdas este ano. Até 2019, o governo terá que desembolsar R$ 16 bilhões caso o Congresso derrube o veto. "O impacto é zero em 2015 por que a medida vetada teria impacto somente na próxima declaração anual de IRPF, que acontecerá em abril de 2016. O impacto será de R$ 4 bilhões por ano", diz a nota. Previdência No caso de a adoção da regra 85/95 anos para o cálculo da aposentadoria - que soma a idade ao tempo de contribuição ao INSS - ser usada como alternativa ao cálculo do fator previdenciário, haveria impacto de R$ 135 bilhões até 2035. Segundo o governo, a derrubada do veto proporcionaria uma redução temporária do gasto em relação à MP devido ao adiamento de aposentadorias até 2019. "Depois disso, a regra 85/95 fixa poderia gerar mais gasto que a regra 85/95 móvel". A nota diz ainda que até 2040, a regra proposta pelo Executivo por meio da MP 676, que está em análise pelo Legislativo, economizaria R$ 883 bilhões.
Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.