Diário da Região

22/09/2015 - 17h42min

Brasília

Temer: é preciso 'dar tempo ao tempo' para PMDB chegar a acordo sobre reforma

Brasília

O vice-presidente Michel Temer admitiu nesta terça-feira, 22, que ainda não há acordo para a reforma ministerial. No comando do PMDB, Temer prefere que o partido não faça indicações e deixe a presidente Dilma Rousseff à vontade para compor a equipe, mas a bancada do PMDB na Câmara quer o Ministério da Saúde, controlado pelo PT. "É preciso esperar um pouco mais. Vamos dar tempo ao tempo", disse Temer ao jornal O Estado de S.Paulo, ao voltar de um almoço, no Palácio do Jaburu, com amigos do PMDB, entre os quais o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, o ex-ministro da Aviação Moreira Franco e o ex-deputado Geddel Vieira Lima. "Com o tempo, as bancadas se entendem", amenizou o vice. O líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), deseja que a bancada controle dois ministérios, sendo um deles a Saúde. O governo aceita entregar a Saúde, dependendo do nome indicado, desde que o PMDB lhe dê sustentação no Congresso para apoiar o pacote fiscal e barrar eventual processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Quando Dilma foi eleita pela primeira vez, em 2010, o então governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), chegou a anunciar que Sérgio Côrtes, então secretário estadual, seria ministro da Saúde. Dois dias depois, teve de recuar e Dilma nomeou Alexandre Padilha (PT). Reação No ano passado, Padilha deixou o ministério para concorrer ao governo de São Paulo. A cadeira foi ocupada, então, por Arthur Chioro (PT), indicado pelo prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho. Chioro tem o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e rumores sobre sua saída já provocaram forte reação do PT. Em conversas reservadas, dirigentes do PT dizem que o partido não aceita entregar nem Saúde nem Educação e o recado já foi enviado ao Palácio do Planalto. Emissários do Planalto avisaram os petistas, porém, que precisam do PMDB para manter a governabilidade. Diante das reações negativas no partido sobre a fusão dos ministérios do Turismo com Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Dilma não deve mais unir essas pastas. Com isso, tudo indica que Henrique Eduardo Alves - homem da confiança de Temer e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - continuará no Turismo. Apesar dos apelos de Temer para que o PMDB não faça qualquer indicação, uma ala do partido no Senado quer desalojar Gilberto Kassab (PSD) do Ministério das Cidades e Gilberto Occhi (PP) de Integração Nacional, ampliando não apenas o seu espaço na Esplanada como a influência das pastas comandadas pela legenda.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso