Diário da Região

20/10/2015 - 19h38min

São Paulo

Edinho Silva defende aproximação entre governo e oposição

São Paulo

O ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, defendeu nesta terça-feira, 20, em duas entrevistas consecutivas concedidas à TV Alesp, da Assembleia Legislativa de São Paulo, a aproximação entre governo e oposição em torno de uma agenda de interesses comuns. Na primeira entrevista, à deputada Márcia Lia, do PT, Edinho falou ligeiramente sobre a proposta. Depois, em conversa com o presidente da Casa, o tucano Fernando Capez, o ministro voltou a bater na tecla com maior intensidade. "A oposição e a situação têm que encontrar aquilo que nos une. Tem que ter um diálogo com a oposição, construir pontos de unidade em que a oposição continue exercendo seu direito de criticar, mas precisamos pensar no País", defendeu o ministro. As entrevistas à TV Alesp foram o principal ponto da agenda de Edinho nesta terça-feira em São Paulo. O local para as declarações não foi escolhido por acaso. A Alesp é amplamente dominada por tucanos que têm canal direto com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. O ministro chegou a fazer afagos públicos ao governador, que tem demonstrado ser contrário ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. "Temos que em algum momento colocar o interesse nacional acima dos interesses partidários. Acredito que a política é a arte de construir ideias majoritárias que fazem a sociedade se mover. E ideias majoritárias não são coisa de uma tendência política, são uma construção coletiva. Estive quarta-feira com a presidente Dilma em São Carlos (SP) e ali vi o governador Geraldo Alckmin que mesmo sendo de partido diferente estava junto construindo um projeto de interesse da sociedade. É assim que deve ser a boa política", disse Edinho. Na entrevista a Capez o ministro defendeu ainda um "redesenho do modelo federativo" com mais atribuições às Assembleias Legislativas, uma "reforma do Estado" e do sistema de representação democrática e falou de sua experiência como tesoureiro da campanha de Dilma em 2014. "Se eu falar para você que era meu sonho de consumo é evidente que não. Ela (Dilma) me chamou quando a investigação (Lava Jato) já estava em andamento e me deu orientação para que blindasse o processo de arrecadação", disse o ministro.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.