Diário da Região

27/11/2015 - 08h01min

Rio e Brasília

André Esteves é transferido para presídio Bangu 8, na zona oeste do Rio

Rio e Brasília

O sócio do banco de investimentos BTG Pactual André Esteves foi transferido na noite desta quinta-feira, 26, da sede da Polícia Federal, no centro do Rio, para o presídio Ary Franco, em Água Santa, na zona norte, e de lá, para Bangu 8, na zona oeste da capital. A transferência ocorreu depois que o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, negou pedido dos advogados do banqueiro para revogar sua prisão temporária e autorizou a transferência de Esteves. O banqueiro saiu em um carro da PF e foi levado para o Instituto Médico Legal, onde passou por exame de corpo de delito. De lá, seguiu para o Ary Franco, que é considerado um dos piores do sistema penal fluminense, onde passou por uma triagem. Em 2012, o Subcomitê de Prevenção à Tortura das Organizações das Nações Unidas recomendou o fechamento da unidade. Por ali, já passaram o ex-deputado federal Roberto Jefferson, condenado pelo mensalão, e o ex-banqueiro Salvatore Cacciola, condenado por peculato e gestão fraudulenta. Pouco antes da meia-noite, o banqueiro saiu do Ary Franco e seguiu para a penitenciária Bangu 8, na zona oeste, onde deve permanecer. Gravação Esteves foi preso na quarta-feira, 25, suspeito de obstruir as investigações da Operação Lava Jato. O banqueiro o senador Delcídio Amaral (PT-MS) - também preso anteontem - tentaram comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró, diz a Procuradoria-Geral da República. De acordo com o Ministério Público, com base em conversas gravadas pelo filho de Nestor Cerveró, Bernardo Cerveró, o senador petista ofereceu uma mesada de R$ 50 mil para evitar que o ex-diretor da Petrobras mencionasse o congressista e o BTG Pactual em eventual acordo de delação premiada. A verba seria financiada por André Esteves, segundo conversas entre o parlamentar, o então advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, o filho do ex-diretor e o chefe de gabinete de Delcídio, Diogo Ferreira. O advogado e o chefe de gabinete também foram presos na quarta. Defesa O advogado de Esteves, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, alegou ao STF que a prisão temporária do banqueiro foi baseada "única e exclusivamente" na fala de Delcídio. Ele nega que Esteves conheça Cerveró, Bernardo, o chefe de gabinete de Delcídio e o advogado Edson Ribeiro. Segundo o criminalista, o banqueiro conhece Delcídio assim como tem contato com outros parlamentares. A prisão temporária do banqueiro expira no domingo, e pode ser prorrogada ou convertida em prisão preventiva. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso