Diário da Região

15/12/2015 - 22h10min

Brasília

Kátia Abreu: se meta for zero, corremos alto risco de rebaixamento

Brasília

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, firmou apoio ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, contra a redução da meta de superávit fiscal de 2016. "Se (a meta fiscal) for zero, corremos risco alto de rebaixamento", disse a ministra ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, antes de saber que o governo havia optado por alterar a meta. Nesta terça-feira, 15, o relator da Comissão Mista de Orçamento (CMO), Ricardo Barros (PP-PR), anunciou que "lamentavelmente" o governo já decidiu reduzir a meta fiscal para o ano que vem. O anúncio oficial ainda não foi feito pelo Planalto, mas a presidente deve enviar proposta criando uma banda de superávit primário que varia de 0% a um teto de 0,5% do PIB. Pela manhã, Levy classificou como "incoveniente" e um "equívoco" a mudança da meta, antes fixada em 0,7% do PIB. Kátia Abreu tem a mesma opinião. "Existe um raciocínio errado de algumas pessoas no Congresso de que é melhor colocar zero e depois aumentar para 0,5%, 0,7%. Mas não é assim que as coisas funcionam. Se for zero, corremos risco alto de rebaixamento. Não estou dizendo que vá acontecer, mas é melhor dizer o contrário: com 0,7% temos mais chance de manter nossa posição", declarou. Para ela, insistir num superávit, mesmo que pequeno, é um sinal importante dado às agências de classificação de risco. "A gente fica com boa impressão e credibilidade", afirmou. Temer Kátia Abreu, que integra o quadro do PMDB no ministério de Dilma Rousseff, disse a que a reunião da executiva do partido, marcada para a quarta-feira, 16, será rápida e não tratará de agendamento de convenção nem de um eventual rompimento com o governo. "O Michel (Temer) garantiu que a pauta não tem nada a ver com rompimento ou com convocação de executiva sobre convenção. Vai tratar sobre filiação partidária de deputado estadual", disse a ministra. Ela ressaltou que os sete ministérios comandados por peemedebistas no governo foram resultado da articulação do próprio vice-presidente. "Essa recomposição do partido, que aconteceu há menos de três meses, foi feita por ele (Temer). Eu não acredito que o vice, que articulou esses espaços, possa querer o rompimento. Tenho convicção que Michel não trabalha pelo rompimento", afirmou. Para ela, a executiva desta quarta será uma reunião normal. Questionada sobre qual seria a sua posição em caso de declaração de rompimento do PMDB com o governo, a ministra respondeu: "Não trabalho sob hipótese. O PMDB não vai declarar rompimento."
Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.