Diário da Região

03/05/2016 - 00h00min

TODO MUNDO

Janot quer apuração sobre Aécio e petistas

TODO MUNDO

Elza Fiúza/Agência Brasil O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quer ouvir depoimento de tucano em 90 dias
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quer ouvir depoimento de tucano em 90 dias

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal pedidos para investigar o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva, o deputado Marco Maia (PT-RS) e o ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União (TCU). A medida foi tomada com base na delação do senador Delcídio Amaral (ex-PT-MS), preso em novembro de 2015 acusado de tramar contra a Operação Lava Jato. Em fevereiro deste ano, o ex-líder do governo no Senado foi solto após ter fechado o acordo de delação.

O Supremo, a partir de agora, terá de decidir se autoriza ou não as investigações (inquéritos) porque os citados possuem o chamado foro especial, conhecido como foro privilegiado. Não há prazo para a decisão. Sobre Aécio, Delcídio afirmou, entre outras coisas, ter “segurado a barra”, quando era presidente da CPI dos Correios (2005), para que não viesse à tona a movimentação financeira das empresas de Marcos Valério, condenado no mensalão, no Banco Rural que “atingiriam em cheio” Aécio. Janot pede que, em 90 dias, sejam ouvidos os depoimentos relacionadas ao caso Furnas, entre ele o de Aécio e do ex-diretor de Engenharia Dimas Toledo.

Janot solicita ainda que a Polícia Federal colete, entre o material já aprendido e produzido na Lava Jato, evidências que contribuam para a apuração. Delcídio disse que esteve na sede do governo mineiro, por volta de 2005, 2006, quando Aécio governava o Estado. O tucano teria oferecido a ele o avião do governo de Minas para Delcídio ir ao Rio posteriormente. O senador disse ter aceitado a oferta. Delcídio afirmou, também em relação a Aécio, que, “sem dúvida”, o presidente do PSDB recebeu propina em um esquema de corrupção na estatal de energia Furnas que, segundo o delator, era semelhante ao da Petrobras, envolvendo até as mesmas empreiteiras. Aécio nega as acusações de Delcídio.

O ex-líder do governo tem experiência no setor elétrico, conhece o ex-diretor de Engenharia de Furnas Dimas Toledo, apontado como o responsável pelo esquema de corrupção, e disse ter ouvido do próprio ex-presidente Lula, em uma viagem em 2005, que Aécio o teria procurado pedindo que Toledo continuasse na estatal. Delcídio também ligou Cunha a Furnas. O senador disse que "Eduardo Cunha tinha comando absoluto da empresa e acredita que ele tenha recebido vantagens ilícitas". "Em relação a Furnas, Dilma (Rousseff) teve praticamente que fazer uma intervenção na empresa para cessar as práticas ilícitas, pois existiam muitas notícias de negócios suspeitos e ilegalidade na gestão da empresa; que, ao que parece, ‘a coisa passou da conta’", diz a delação de Delcídio homologada pelo STF.

Sobre Edinho Silva, Delcídio disse que, durante a campanha eleitoral de 2014, o atual ministro da Comunicação Social "esquentou" doações provenientes da indústria farmacêutica com notas frias e o orientou a fazer o mesmo para saldar R$ 1 milhão de dívida de sua campanha, com duas empresas, que receberiam o dinheiro de laboratório farmacêutico. Edinho foi tesoureiro da campanha de Dilma no último pleito. Delcídio relatou “ilicitudes envolvendo o desfecho da CPI que apurava os crimes no âmbito da Petrobrás”, em 2014.

Citados contestam delação de Delcídio e negam irregularidades

O senador e presidente do PSDB, Aécio Neves (MG), o ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Edinho da Silva, o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo e o deputado Marco Maia (PT-RS) reagiram ontem aos pedidos de abertura de inquéritos no âmbito da Operação Lava Jato feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal.

Todos eles contestaram as declarações do senador Delcídio Amaral (ex-PT-MS), ex-líder do governo no Senado, em que se baseiam os requerimentos feitos pelo procurador-geral da República. Delcídio firmou acordo de delação premiada. Aécio afirmou estar convicto de que o procedimento vai esclarecer sua inocência. O tucano também chamou de mentirosas as menções a ele feitas por Delcídio. 

“Como o próprio senador Delcídio Amaral declarou recentemente, as citações que fez ao nome do senador Aécio foram todas por ouvir dizer, não existindo nenhuma prova ou indício de qualquer irregularidade que tivesse sido cometida por ele”, diz uma nota divulgada pela assessoria do tucano. De acordo com a assessoria de Aécio, as acusações são antigas e já foram objeto de investigações anteriores, que, por sua vez, já foram arquivadas.

“Mentiras”

O ministro Edinho Silva classificou as declarações do ex-petista Delcídio Amaral de “mentiras escandalosas”. “Sempre agi de maneira ética, correta e dentro da legalidade”, afirmou, por meio de nota, que também defendeu a apuração dos fatos que o envolvem. Também em nota, o ministro do TCU Vital do Rêgo informou que “reitera o repúdio às ilações associadas a seu nome na referida delação premiada, desprovidas de qualquer verossimilhança” e que “está à disposição das instituições para qualquer esclarecimento”.

Imagem

O deputado petista Marco Maia negou irregularidades e disse que as acusações feitas por Delcídio são uma tentativa de desgastar sua imagem e a do PT. “Fui relator de uma CPI mista em 2014, onde pedi o indiciamento daqueles que me acusam. Foram 53 indiciamentos e mais o pedido de investigação de 20 empresas pela prática de crime de cartel. Não recebi nenhuma doação para minha campanha eleitoral em 2014 de empresa que estivesse sendo investigada”, disse Maia. “Utilizarei de todas as medidas legais para que a verdade seja estabelecida e para que os possíveis desgastes a minha imagem de parlamentar sejam reparados na sua integralidade”, afirmou o parlamentar.

 

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso