Diário da Região

20/03/2015 - 15h37min

São Paulo

Dilma diz que ajuste é passageiro, mas reconhece que momento 'é tenso'

São Paulo

A presidente Dilma Rousseff reafirmou nesta sexta-feira, 20, que o ajuste fiscal do governo é "passageiro", mas reconheceu que o momento atual é tenso. "Nós temos vividos nos últimos dias e no último mês um momento bastante tenso no Brasil", afirmou, em discurso na 12ª Abertura da Colheita do Arroz Ecológico, em Eldorado do Sul, região metropolitana de Porto Alegre (RS). A presidente disse com "a mais absoluta sinceridade" que o governo nos últimos 6 anos tomou todas medidas para que crise não atingisse população. Dilma afirmou que neste período o governo aumentou os subsídios, reduziu os juros e diminuiu o custo da energia no Brasil, mas que como "qualquer família" quando se passa por uma crise é preciso ajustar. "Não estamos pedindo para ninguém assumir toda a responsabilidade. Não temos como continuar absorvendo tudo, mas algumas coisas nós continuamos assumindo", afirmou, ressaltando que o governo manterá a desoneração da cesta básica. Repetindo que o momento de dificuldade "é passageiro e conjuntural", a presidente afirmou que o Brasil é um país complexo e que as dificuldades só poderão ser superadas "se estivermos juntos". "Tem gente que aposta no quanto pior melhor. E não dá para apostar contra o País", afirmou. Citando as reservas brasileiras de US$ 370 bilhões, Dilma afirmou que esse colchão de recursos reduz os impactos negativos dos movimentos do mercado internacional. "Por isso que eu falo: somos um país equilibrado no fundamental, na base, no cerne, no coração", disse. "O desequilíbrio é momentâneo." Dilma disse que o governo não está fazendo ajuste por gostar de ajustar, mais porque o Brasil precisa continuar crescendo, que ajustar "é dar vida" e que o mais forte no convencimento das pessoas "é a realidade". "É importante aprovar ajustes. Aprovando ajuste saímos disso no curto prazo", disse. Agricultura familiar Durante o discurso, Dilma defendeu a agricultura familiar e afirmou que a unidade de secagem e armazenagem de arroz da Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região de Porto Alegre (Cootap), que foi inaugurada no evento em que estava, mostra que "é possível desenvolver agricultura familiar de alta qualidade". A presidente afirmou que o País tem uma política clara de fomento à agricultura familiar e se comprometeu a colocar o BNDES e o Banco do Brasil em projetos de financiamento à agroecologia. "Nós temos clareza da importância do crédito e da importância de os bancos públicos financiaram a agroindustrialização", disse. Dilma reconheceu que o governo precisa aperfeiçoar os mecanismos de comercialização. João Stédile, um dos líderes do MST, disse que era a favor que a Conab se transformasse em uma empresa pública de alimentos e parasse "de ser apenas instrumento do agronegócio".

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso