Diário da Região

12/05/2015 - 20h30min

Curitiba e São Paulo

Padilha afirma que ?cumpriu sua missão institucional?

Curitiba e São Paulo

O ex-ministro Alexandre Padilha (Saúde) informou nesta terça-feira, 12, que "cumpriu sua missão institucional" durante as negociações relativas às Parcerias de Desenvolvimento Produtivo (PDPS). O nome de Padilha foi citado em relatório da Polícia Federal de indiciamento do ex-deputado André Vargas (ex-PT/PR), preso pela Operação Lava Jato. O documento associa Vargas a Padilha, este atual secretário de relações governamentais da gestão Fernando Haddad (PT) na Prefeitura de São Paulo. A PF atribui a Padilha o papel de elo da organização liderada por Vargas e pelo doleitro Alberto Youssef no esquema para tentar se infiltrar no Ministério da Saúde. Em nota de sua assessoria de imprensa, Padilha rebate taxativamente as informações sobre sua conduta na Pasta, durante o governo Dilma Rousseff (PT). "O ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, reafirma que durante as tratativas das parcerias desenvolvimento produtivo (público-privada para produção de medicamentos) cumpriu sua missão institucional ao receber propostas e projetos de parceiros e seus representantes", diz um trecho da nota. Segundo a assessoria de Padilha, "todos (projetos) sempre foram encaminhados para análise do setor técnico do Ministério da Saúde". A assessoria do ex-ministro sustenta que "os filtros estabelecidos na análise dos projetos pelo ex-ministro não permitiriam a participação de tal empresa na parceria". A empresa a que se refere o secretário de Relações Institucionais da Prefeitura de São Paulo é a Labogen Produtos Químicos, controlada por Leonardo Meirelles, laranja de Youssef, o doleiro da Lava Jato. Ao citar o papel de Youssef, a PF sustenta que ele "intermediava os contatos políticos, efetuando o lobby com André Vargas que, por sua vez, mediante promessa de vantagem ilícita, atuou junto ao Ministério da Saúde, claramente em contato com o então ministro da Saúde Alexandre Padilha". Vargas, enquanto deputado, foi secretário de Comunicação do PT e vice-líder do partido na Câmara. A PF assinala que ambos, Vargas e Padilha, eram "companheiros de agremiação partidária". Segundo o documento, o contato entre o então deputado e o então ministro tinha "fins de alcançar o objetivo que era a inserção no mercado das PDP e assim participar da 'partilha do bolo' de vultosos contratos de fornecimento de medicamentos no âmbito do Ministério". PDP é a sigla para Parceria para o Desenvolvimento Produtivo instituída pela Pasta da Saúde para estímulo da produção de medicamentos e insumos no País. A PF assinala que esse universo era o alvo do grupo de Youssef que, para isso, assumiu o controle do Laboratório Labogen. O doleiro planejava se infiltrar no Ministério da Saúde no governo Dilma Rousseff. A PF destaca que "o projeto do grupo criminoso era ambicioso", referindo-se a Alberto Youssef, peça central da Operação Lava Jato, e a operadores e laranjas do doleiro, Leonardo Meirelles e Pedro Argese. Na nota distribuída na tarde desta terça feira, a assessoria do ex-ministro reitera que "durante sua gestão nenhum contrato foi firmado com o laboratório citado, e nem poderia ocorrer através do mecanismo da PPP, onde o contrato é realizado diretamente com o laboratório público".

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso