Diário da Região

12/05/2015 - 19h36min

Brasília

Servidores do Itamaraty decidem manter greve até a próxima quinta-feira

Brasília

Os servidores do Itamaraty decidiram, em assembleia, manter a greve deflagrada ontem pelo menos até a próxima quinta-feira, quando uma reunião no Ministério do Planejamento deverá tratar da regularização do auxílio-moradia e outras questões da pauta dos grevistas. Até o início da tarde de ontem, pelo menos 70 postos no exterior haveriam aderido ao movimento, pelo menos parcialmente. No Itamaraty, em Brasília, a participação foi basicamente de oficiais e assistentes de chancelaria. De acordo com o SindItamaraty, entre os postos que paralisaram os trabalhos, mesmo que parcialmente, estão os consulados de Boston, Chicago, Atlanta e Nova York, nos Estados Unidos, além da área consular da embaixada em Washington e a Missão junto às Nações Unidas. Também os consulados de Barcelona, Genebra e Ciudad del Este, e as embaixadas em Havana, Quito, Roma, Argel, Assunção, Londres e Buenos Aires, entre outras. Em Bruxelas, pararam tanto a embaixada quanto a área consular e a missão junto à União Europeia. Os servidores fizeram, ainda, uma manifestação em frente à sede do ministério no início da tarde, depois da assembleia que definiu pela continuidade do movimento. Entre os participantes, no entanto, nenhum era diplomata. A decisão pela greve foi tomada na semana passada por pouco mais de 300 funcionários que responderam a uma consulta online feita pelo sindicato - 141 optaram pela greve e m 44 se abstiveram. Na tarde de ontem, a assembleia teve a presença de apenas dois diplomatas. Apesar de serem parte do mesmo sindicato, a carreira mais alta do Itamaraty raramente se envolve nas decisões sindicais, apesar de ser diretamente afetada pelo atraso no auxílio-moradia. Ainda assim, dessa vez, em vários postos os diplomatas - especialmente os terceiros secretários, mais jovens, decidiram participar. É o caso, por exemplo, de Quito, Nairóbi e Londres. A baixa resposta está sendo usada pela administração para tentar demonstrar que a maior parte dos servidores não acha "adequada" a paralisação nesse momento e, em carta, avisou o sindicato que serão descontados os dias de trabalho daqueles que aderirem à greve. Mais do que isso, o texto, assinado pelo secretário-geral do Itamaraty, embaixador Sérgio Danese, ressalta que em um momento de crise econômica o sindicato queira "paralisar um ministério que é a imagem primeira do Brasil no exterior e sempre contou com a abnegação e a dedicação de seus funcionários". A principal reivindicação dos servidores é a regularização do pagamento do auxílio-moradia, inclusive com uma solução legal definitiva. Apesar de a maior parte dos postos ter recebido já dois dos três meses atrasados, não há garantia de que não haverá novos atrasos, especialmente porque o contingenciamento, que deve ser anunciado nos próximos dias, reduzirá ainda mais a margem de gastos do Itamaraty. A pauta foi ampliada para incluir uma reestruturação na carreira e a concessão de passaporte para todos os servidores no exterior - o que não acontece hoje. A ampliação das reivindicações incomodou parte dos servidores, especialmente os diplomatas.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso