Diário da Região

31/08/2015 - 20h05min

Brasília

Barbosa diz que desafio é controlar crescimento de gastos obrigatórios

Brasília

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse nesta segunda-feira, 31, após entregar ao Congresso Nacional a proposta de Lei Orçamentária de 2016, que o principal desafio fiscal do governo hoje é controlar o crescimento dos gastos obrigatórios da União. Barbosa disse que o governo quer abrir uma discussão sobre o financiamento da saúde no longo prazo, além de querer mudanças na Previdência e buscar estabilizar o gasto com o funcionalismo. Barbosa disse que a situação fiscal difícil "neste e no próximo ano", mas que o Brasil ainda tem um mercado interno importante, diversidade produtiva e grande potencial de crescimento. "O mais importante de tudo para manter o investment grade é ter um orçamento realista", completou. O ministro disse ainda que o governo está empenhado em diminuir gastos, mas que algumas medidas dependem de mudanças legislativas. "O governo pode fazer do ponto de vista administrativo, reduções adicionais dependem de lei, de repensar a Previdência, a saúde, a educação. Entre as medidas listadas para aumentar a receita, depende de medida provisória que será encaminhada em breve a revisão nos benefícios de PIS/Cofins concedidos a equipamentos de informática. A cobrança de Imposto sobre Operações Financeiros (IOF) sobre operações do BNDES depende de decreto. Estados e municípios A proposta orçamentária pressupõe que Estados e municípios entregarão, ao final do próximo ano, um resultado superavitário de 0,16% do PIB. Mas os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, não deixaram claro, durante a apresentação da peça orçamentária, como esse resultado será alcançado, uma vez que, assim como o governo federal, os regionais também enfrentam dificuldades para fechar as contas. Em porcentual do PIB, há uma queda na fatia dos tributos que será transferida para Estados e municípios no ano que vem, de 3,7% do PIB neste ano para 3,5% em 2016. Em termos nominais, o valor passa de R$ 213,7 bilhões para R$ 221,7 bilhões. Hoje, o governo federal enviou o projeto de lei orçamentária de 2016 com uma previsão de déficit da União de 0,5% do PIB e para todo o setor público, de 0,34%, resultado que depende do desempenho de Estados e municípios para ser alcançado.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso