Diário da Região

15/06/2016 - 00h00min

VIOLÊNCIA NO CAMPO

Conflito agrário no MS fere até índio de 12 anos

VIOLÊNCIA NO CAMPO

O menino indígena Josiel Benites, de apenas 12 anos, é um dos índios que foram baleados nesta terça-feira, 14, durante um conflito sangrento deflagrado por fazendeiros na região de Caarapó, no Mato Grosso do Sul. Com pelo menos um tiro na barriga, Josiel Benites foi socorrido e encaminhado para o Hospital da Vida, no município vizinho de Dourados. Além do menino guarani kaiowá, pelo menos mais três vítimas estão em estado grave: Nurivaldo Mendes, 37 anos, com tiros no tórax e abdômen; Lipércio Marques Daniel, 42 anos, com tiros na cabeça, tórax e abdômen; e uma última pessoa identificada apenas como Jesus, de 29 anos, com um tiro na barriga.

Procurado, o Hospital da Vida não deu mais informações sobre o quadro de saúde dos feridos. O conflito resultou na morte do agente de saúde indígena, Cloudione Rodrigues Souza, de 26 anos. O clima na região é de extrema tensão. Informações do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) dão conta de que o número de feridos poder ser maior, porque os indígenas se dispersaram pelo território, em fuga, com a chegada de cerca de caminhonetes, motocicletas, cavalos e trator usados por pistoleiros, capangas e homens que chegaram atirando contra o acampamento em que os índios estavam.

Trata-se da Fazenda Yvu, que está em terra indígena e atualmente é alvo de processo de demarcação pelo Ministério da Justiça. Segundo o Cimi, em filmagens feitas pelos próprios índios, é possível ver uma centena de homens armados, queimando motos e demais posses dos indígenas. “A maioria dos indivíduos está vestida com um uniforme preto; nas filmagens, é possível ouvir gritos de: ‘Bugres! Bugres!’, forma pejorativa usada para se referir aos indígenas na região sul do País”, informou o órgão. O ataque foi uma resposta à retomada realizada pelos indígenas de Tey'i Kue na Fazenda Yvu, vizinha à reserva. 

No último domingo, 12, um grupo de 100 famílias reocupou o território chamado de tekoha Toropaso, onde incide a Fazenda Yvu. Em maio, os indígenas estiveram em Brasília, pressionando pela publicação do relatório da terra indígena Dourados-Amambai Peguá. Sob pressão, a Funai assinou o relatório. Dessa forma, a demarcação da terra indígena teria prosseguimento. Em nota, o Conselho Indigenista Missionário categorizou como “paramiltar” a ação, e afirma que, no último semestre, foram registrados ao menos 25 casos similares entre os guarani kaiowá do Estado.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.