Diário da Região

07/07/2016 - 22h48min

Brasília

Conseguir sair daqui com inflação na meta é um legado bem importante, diz Ilan

Brasília

A menos de um mês como presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn disse hoje que se conseguir deixar o cargo no futuro com a inflação na meta será um legado "bem importante". Principalmente, enfatizou, depois que o IPCA ficou por 10 anos longe do objetivo perseguido pela autoridade monetária. "Trabalho aqui como se fosse ficar muito e muitos anos, mas há questões de curto prazo também", disse, em entrevista à GloboNews. Ele voltou a dizer que pretende contribuir com o País de forma técnica, apartidária e independentemente do cenário político. Goldfajn também citou como uma segunda conquista que gostaria de deixar quando se desligar da instituição a redução do custo de intermediação bancários. "Este também é um legado importante", observou. Quando questionado sobre a possibilidade de redução de spreads bancários - basicamente a diferença de juros que os bancos obtêm do governo e concedem a seus clientes - ele lembrou que às vezes são colocadas propostas que podem parecer boas no curto prazo, como direcionamento de recursos ou compulsório, mas que, no longo prazo, acabam por aumentar o custo. O terceiro objetivo que pretende alcançar quando sair do BC, de acordo com ele, é manter o Sistema Financeiro Nacional (SFN) sólido, líquido e bem provisionado. Para Goldfajn, o SFN não apresenta problemas hoje apesar das turbulências pelas quais o País tem passado. "Olhando para a frente, temos que ver como evolui. O Sistema Financeiro tem todas as condições de passar por este momento, mas temos de estar de olho", comentou. Internacional - Sobre o mercado externo, o presidente do BC disse que o ambiente lá fora "também é desafiador". Há preocupações, de acordo com ele, sobre se a economia global vai crescer ou não. Há dúvidas, explicou, porque a China está em um processo de desaceleração. "Não se sabe se é muito ou pouco", considerou. Outra dúvida levantada por Goldfajn diz respeito ao desempenho dos Estados Unidos, que ainda não está muito clado. Sobre a Europa, ele lembrou que o continente estava começando a sair da sua recessão quando o Reino Unido decidiu deixar o bloco econômico, num movimento que ficou conhecido como Brexit. (Célia Froufe - celia.froufe@estadao.com)

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.