Diário da Região

15/06/2017 - 00h00min

Auxílio-atleta

Vereadores contrários a CPI são execrados publicamente

Auxílio-atleta

Guilherme Baffi Manifestantes fazem protesto contra vereadores que barraram prorrogação de CPI durante a sessão de terça, 14
Manifestantes fazem protesto contra vereadores que barraram prorrogação de CPI durante a sessão de terça, 14

A decisão da Câmara na noite de terça-feira, 13, de impedir a prorrogação da CPI que investiga fraudes nos pagamentos do auxílio-atleta em Rio Preto provocou uma onda de indignação dentro e fora das redes sociais na internet. Os nove vereadores que votaram contra (e mesmo Gerson Furquim, do PP, que se ausentou do plenário na hora da votação) a prorrogação da CPI foram alvos de críticas e protestos de internautas, entre os quais leitores do Diário (que reproduziram quadro publicado nas edições impressa e on-line do jornal sobre como cada vereador votou).

A Redação também recebeu cartas em protesto (leia na pág. 2) contra a medida tomada no Legislativo. O PSOL publicou fotos na página do partido no Facebook de todos os parlamentares que votaram contra a CPI, com mensagens criticas a cada um deles (veja no quadro lado). As imagens se propagaram rapidamente para o WhatsApp, assim como o quadro da votação publicado pelo Diário. “Nós repudiamos a atitude dos vereadores que votaram contra a extensão de prazo da CPI que investiga fraudes no benefício do auxílio atleta.

Diversos depoimentos apontavam, que os atletas eram obrigados a repassar a maior parte do valor recebido para seus técnicos”, afirmou o PSOL em nota. O presidente da sigla na cidade, Breno Aragon, afirmou que o objetivo de explorar o tema na internet é dar visibilidade negativa a cada um desses parlamentares. “Não tem motivo para não investigar. Será que quem votou nesses vereadores sabe disso?”, questionou Aragon.

Durante a sessão, o vereador Celso Peixão (PSB) revelou que ele e os colegas fizeram um pacto de não comentar suas razões para barrar a CPI. Anderson Branco (PR) e José Lagoeiro (DEM), no entanto, romperam o acordo e tentaram justificar seus votos em plenário. Nas redes sociais, o silêncio foi mantido. O relator da CPI, Renato Pupo (PSD), não perdeu a oportunidade de expor os adversários. “A Câmara barrou ontem a prorrogação de prazo na CPI do auxílio-atleta. Uma comissão que apura desvio de dinheiro público está sendo impedida de trabalhar”, escreveu Pupo nesta quarta, 14, no Facebook.

A reação de seguidores dele foi imediata. “Infelizmente a culpa disso tudo são das pessoas que vendem seu voto por R$ 50 de gasolina, um saco de cimento, sem se importar com o que essas pessoas vão fazer nos quatro anos que ficaram no poder”, escreveu Luciano Pereira. “Pela posição e pelo voto de cada um percebe-se nitidamente a intenção de cada vereador. Os que querem o bem comum da cidade e os que estão ali pura e simplesmente para angariar vantagens pessoais. Pobre Rio Preto!”, afirmou Rodrigo Molina.

Márcia Augusto Barroso afirmou na internet que “assessores de vereadores acusados de corrupção mandam a gente ficar calado”. Ela foi uma das pessoas que acompanharam a sessão pessoalmente. “E é claro que ameaçam quebrar a nossa cara... E é claro que a imprensa flagra tudo isso. E é claro que todos se rebelam contra a coação! E é claro que terça-feira que vem estaremos na Câmara de novo! Porque os maus são ousados e os voltados para o bem se cansaram de ser tímidos e o bem coletivo precisa de ação”, afirmou ela em seu perfil.

“A culpa é dos eleitores deles”, escreveu Edson Aparecido de Macedo. Já Carlos Alberto Frias Barbosa afirmou que “para essa corja ter rejeitado essa CPI só podem estar com o rabo preso”. Mas houve quem saiu em defesa dos vereadores, como Manuella Oliveira, que defendeu Peixão. “Só quem não conhece mesmo o trabalho do vereador Peixão pra vir aqui e falar um monte de asneiras, vamos procurar saber primeiro das coisas, né povo”, escreveu no Facebook.

Presidente fala em reforçar segurança

Depois da confusão registrada na sessão da última terça-feira, 13, o presidente da Câmara de Rio Preto, Jean Charles (PMDB), disse que pretende reforçar a segurança na Casa durante as sessões. Ele vai pedir para a Guarda Municipal manter um efetivo de quatro agentes durante a sessão. “A emoção na hora fala mais alto que a razão”, disse. Outra medida será conversar com os vereadores para evitar confrontos com manifestantes nas galerias. “Vou conversar com os vereadores no sentido de controlar seus assessores”, afirmou o presidente do Legislativo. 

Jean Charles adiantou ao Diário de estuda controlar a entrada de pessoas que seriam contumazes em criar desordem na Casa. Ele afirma que há atos que caracterizam desrespeito a vereadores. Nesta quarta-feira, 14, um grupo de vereadores que votou contra a prorrogação da CPI se reuniu com o secretário de Governo, Jair Moretti, que comemorou o fato de o Executivo sair ileso na confusão registrada no plenário durante última sessão. Vereadores de um lado e outro votaram a favor de projetos de interesse do prefeito.

 

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso