Diário da Região

21/04/2017 - 00h00min

INVESTIGADO NA LAVA JATO

‘Não pedi dinheiro para ninguém’, afirma Rodrigo sobre Odebrecht

INVESTIGADO NA LAVA JATO

Vinícius Marques Rodrigo na Swift com Edinho e o ministro da Educação nesta 5ª
Rodrigo na Swift com Edinho e o ministro da Educação nesta 5ª

Alvo de inquérito no STF por causa de delações de ex-executivos da Odebrecht que o acusam de ter recebido R$ 200 mil de caixa 2 para campanha eleitoral de 2010, o deputado federal licenciado e secretário estadual de Habitação, Rodrigo Garcia (DEM), afirmou que nunca pediu dinheiro à empreiteira. De acordo com ele, a delação premiada não pode ser “levada como verdade absoluta”.

“Já afirmei que são falsas essas afirmações feitas pelo delator. O inquérito vai provar isso, o que me dá total tranquilidade. Através dos meus advogados, pedi para acelerar este inquérito, me colocando à disposição para ir a Brasília e prestar depoimento o mais rápido possível. É importante que a gente respeite todo direito de defesa”, afirmou Rodrigo, durante visita a Rio Preto nesta quinta-feira, 20.

O ministro Edson Fachin, relator dos processos da Lava Lato no STF, determinou que a Polícia Federal investigue as denúncias contra o secretário. O ex-diretor financeiro da Odebrecht Carlos Armando Paschoal disse que conversou pessoalmente com Rodrigo Garcia sobre o caixa 2 e que ele teria reclamado do valor, que seria “pouco”. Rodrigo nega. “Não pedi. É uma coisa que não tem pé nem cabeça. Acho que agora as mentiras vão sendo desmascaradas ponto a ponto. Estou tranquilo, sereno, e querendo agilizar essa apuração”, afirmou.

Ele disse que o relator não deixa claro quem teria pedido o recurso. A Procuradoria Geral da República apontou que Rodrigo Garcia teria cometido crime previsto no artigo 350 do Código Eleitoral - omissão de gastos de campanha, também tratado como falsidade ideológica eleitoral. “Nunca ninguém foi condenado no Brasil por isso”, afirmou. Rodrigo disse ainda que não existe “tipificação” penal para caixa 2.

Deputado federal licenciado, Rodrigo também disse que não sente confortável com o foro privilegiado. “O foro privilegiado atrapalha. Torna as investigações lentas”, afirmou. Ele disse que o fim do foro privilegiado vai “passar” no Congresso, sem estipular data para isso.

Tem mais

Além de Rodrigo, há mais dois políticos da cidade na lista de Fachin. Outro inquérito apura suposto repasse ilegal de R$ 500 mil para campanha do senador licenciado Aloysio Nunes (PSDB). Também há pedido de inquérito sobre repasse de R$ 500 que teria sido destinado à campanha do deputado estadual João Paulo Rillo (PT), em 2012, a prefeito de Rio Preto.

 

 

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso