Diário da Região

12/01/2016 - 08h28min

Rio

Indicador de desemprego (ICD) avança 1,0% em dezembro ante novembro, revela FGV

Rio

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) avançou 1,0% em dezembro na comparação com o mês anterior, para 100,0 pontos, considerando os dados ajustados sazonalmente. O resultado representa o maior nível desde março de 2007, quando o indicador estava em 101,5 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira, 12. Em relação a dezembro de 2014, o crescimento acumulado no ICD foi de 35,9%. De acordo com a FGV, dezembro registrou a quarta alta consecutiva no ICD, movimento que reforça a continuidade de tendência de aumento do desemprego. "A alta do ICD reflete o aumento persistente do desemprego, percebido por consumidores de todas as faixas de renda familiar, com destaque para os extremos: as famílias de renda mais baixa e as de renda mais elevada", destacou Itaiguara Bezerra, economista do Ibre/FGV, em nota oficial. O avanço do ICD em dezembro teve contribuição dos consumidores com renda mensal de até R$ 2.100,00, cujo Indicador de Emprego (invertido) variou 2,2%, enquanto a faixa dos que possuem renda superior a R$ 9.600,00 teve alta de 2,0%. O ICD é construído a partir dos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, da pergunta da Sondagem do Consumidor que procura captar a percepção sobre a situação presente do mercado de trabalho. Indicador Antecedente O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) cresceu 2,6% em dezembro ante o mês imediatamente anterior, nos dados com ajuste sazonal, para 70,0 pontos. No acumulado de 2015, entretanto, o indicador registrou queda de 7,9%, informou a FGV. Com o resultado do último mês do ano, o indicador de médias móveis trimestrais reverteu a trajetória de queda e passa agora a sinalizar taxas menos intensas de redução do total de pessoal ocupado na economia ao longo dos próximos meses, avaliou a fundação. "No caso do IAEmp, a mudança de tendência do indicador deve ser analisada com cautela, já que o resultado pode sinalizar uma atenuação das taxas negativas, mas seus níveis ainda muito baixos indicam que a fase de ajustes do mercado de trabalho brasileiro ainda está longe de acabar", ponderou Itaiguara Bezerra em nota oficial. Os indicadores que mais contribuíram para o avanço do IAEmp em dezembro foram os que mensuram o ímpeto de contratações na indústria nos três meses seguintes, na Sondagem da Indústria, e a perspectiva dos consumidores de encontrar emprego futuro na própria região, na Sondagem do Consumidor. O IAEmp é formado por uma combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV. O objetivo é antecipar os rumos do mercado de trabalho brasileiro.
Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.