Diário da Região

09/09/2017 - 00h00min

REVIRAVOLTA

Previdência divide base aliada no Congresso

REVIRAVOLTA

Marcos Corrêa/PR O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ)
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ)

A reviravolta com a revisão da delação dos executivos do grupo J&F e as notícias positivas na economia brasileira melhoraram o ambiente político para o governo, mas ainda são insuficientes para garantir a aprovação da reforma da Previdência, avaliam líderes dos principais partidos da base aliada na Câmara.

De acordo com essas lideranças, suas bancadas continuam reticentes a votar a matéria, mesmo uma reforma mais enxuta, em razão do custo político de aprovar uma proposta impopular a pouco mais de um ano das eleições de outubro de 2018.

A avaliação vem principalmente do chamado Centrão - grupo do qual fazem parte PP, PR e PSD. "A votação continua complicada. O motivo é o custo político para a eleição do próximo ano", disse o líder do PR, José Rocha (BA), que comanda a quinta maior bancada da Câmara, com 38 deputados. Para ele, mesmo uma reforma mais branda, como se discute nos bastidores, também enfrentará resistência.

"O governo não teve a capacidade de fazer a população entender o que ela representa para o País. Então, qualquer mudança que se faça para minorar as perdas não convence mais a população."

À frente da terceira maior bancada, com 46 deputados, o líder do PP na Casa, Arthur Lira (AL), também avalia que a proximidade com as eleições afeta a votação da reforma da Previdência, considerada o principal projeto com o qual a equipe econômica conta para tentar equilibrar as contas públicas. "Pode ter tido um arrefecimento normal, mas, para a Previdência, não. Quanto mais perto da eleição, mais difícil fica. Vai ter desgaste de todo jeito", afirmou.

O líder do PSD, Marcos Montes (MG), avalia que o quadro melhorou, mas que é preciso ter cautela. "O reconhecimento do Ministério Público da fragilidade das denúncias deu um fôlego para o governo. Mas temos de aguardar essas novas delações. Se for branda para o presidente, então será a hora de pensar em avançar nas reformas com mais ousadia", disse ele, que lidera a sexta maior bancada da Câmara, com 37 deputados.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), adotou discurso mais otimista. Na quinta-feira, ele afirmou que pretende pautar a votação da reforma no plenário em outubro. Para ele, com a ajuda do governo, há condições de alcançar o quórum necessário para votar a proposta. A matéria está parada desde maio, quando a delação dos executivos da J&F foi divulgada.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.