Diário da Região

01/06/2017 - 11h00min

São Paulo

Sustentada por Petrobras e bancos, Bovespa abre em alta

São Paulo

A Bovespa abriu em alta, sustentado por blue chips do setor financeiro, no primeiro pregão após o corte na Selic, e também pela alta das ações da Petrobras. Apesar de ter retornado ao preço do dia 18 de maio ("circuit-breaker day"), as ações da Vale abriram em queda nesta quinta-feira, 1º de junho, mais um dia de desvalorização do minério de ferro nos mercados internacionais. Às 10h38, após abertura do mercado em NY, o Ibovespa subia 0,19% aos 62.829 pontos. Na máxima perto da abertura às 10 horas, marcou 63.215 pontos em alta de 0,80%. O crescimento de 1,00% do PIB no primeiro trimestre ante o quarto trimestre do ano passado não chegou a animar analistas macroeconômicos. Para o economista Marco Caruso, do Banco Pine, o dado e também as revisões de dados anteriores para resultados "um pouco menos piores" são uma boa notícia. Já o economista-chefe e estrategista da Azimut Brasil Wealth Management, Paulo Gomes, afirmou que o Brasil continua "no buraco, apesar de o PIB ter parado de cair". Entre as maiores altas do mercado logo na abertura do pregão, estavam as ações de empresas com correlação direta ao mercado de crédito, como ações das empresas de shopping center e construtoras. Entre elas, estão os papéis da Cyrela, BRMalls e Multiplan. Do exterior, a influência continua sendo mista. Dow Jones abriu em alta e os índices futuros de Nova York continuam subindo, assim como as bolsas na Europa. O mercado futuro de petróleo segue misto e volátil perto do horário acima. A crise política segue no radar. Em relatório, o diretor de Operações da Mirae Asset Management, Pablo Stipanicic Spyer, destacou a entrevista exclusiva da quarta-feira da diretora-executiva da S&P Global Ratings, Lisa Schineller, ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado). Lisa afirmou que vê maior chance de "downgrade" do Brasil agora do que há dez dias, quando a agência colocou o rating do País em observação para possível rebaixamento em um período de três meses. Em artigo exclusivo no Broadcast, o economista-chefe do banco Safra, Carlos Kawall, afirmou que, na quarta, em comunicado, o Banco Central (BC) deu sua primeira mensagem oficial sobre o impacto da crise política no seu cenário prospectivo. "Em primeiro lugar, quanto a seus efeitos de curto prazo, o Copom entende que 'a manutenção, por tempo prolongado, de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia pode ter impacto negativo sobre a atividade econômica. Tudo o mais constante, assim, o risco é de uma recuperação mais lenta, com menor pressão inflacionária", escreveu Kawall.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso